Folha Vitória Empresário preso por vender fios elétricos irregulares paga R$ 100 mil de fiança e é liberado

Empresário preso por vender fios elétricos irregulares paga R$ 100 mil de fiança e é liberado

Laudo do IPEM-ES aponta que a mercadoria feita por empresa da Serra poderia causar aquecimento na rede de energia, representando risco de vida para os consumidores

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Delegado Eduardo Passamani, da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor, relatou que funcionários da empresa informaram que alguns clientes reclamaram que fios chegaram a derreter

O empresário da Praia do Canto, preso na Operação "Eletron" na manhã desta terça-feira (10), por vender fios e cabos elétricos irregulares, pagou fiança de R$ 100 mil e foi liberado. As informações foram dadas em coletiva de imprensa pelo delegado Eduardo Passamani, titular da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor, nesta tarde, no salão nobre da Assembleia Legislativa, em Vitória.

A polícia, no entanto, não revelou a identidade do detido e nem o nome da empresa. A fábrica do empresário, localizado no bairro de Carapina, na Serra, foi interditada. Ela fornece cabos e condutores elétricos para todo o país. 

A operação foi integrada entre a Polícia Civil com a Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa e com o Instituto de Pesos e Medidas do Espírito Santo (IPEM-ES). 

A partir do laudo do instituto, foi constatado que os fios elétricos da empresa, vendidos para todo o país, apresentavam irregularidades de fabricação. Além disso, esses produtos poderiam causar superaquecimento da rede de energia, curto circuitos e contribuir com a alta do consumo de energia, gerando aumento na conta de quem utilizava.

Leia também: Empresário da Praia do Canto é preso e fábrica de fios elétricos é interditada na Serra

 De acordo com o delegado Passamani, alguns funcionários da empresa, que funciona no bairro de Carapina, na Serra, relataram para os investigadores as queixas dos consumidores sobre a eficácia dos fios. "Eles falaram que muitos consumidores foram até a fábrica dizer que a fiação e os cabos não suportavam as cargas e chegavam a derreter quando utilizadas", apontou, lembrando que além do prejuízo financeiro, haveria risco de vida para os consumidores.

Os documentos obtidos na operação indicam que a empresa vendeu o produto fora das normas de segurança para hospitais, igrejas, escolas, construtoras e diversas lojas de material de construção. 

Últimas