Folha Vitória Enem: saiba qual é a melhor ordem para resolver as questões

Enem: saiba qual é a melhor ordem para resolver as questões

Lorenzo Ferrari Assú Tessari, especialista em aprendizagem e metodologias de ensino e diretor e da Gama Ensino, explicou como utilizar a Teoria de Resposta ao Item a favor dos candidatos

Folha Vitória
Foto: Pixabay
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Para quem vai fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), esse é um grande dilema a ser solucionado. Obviamente não existe uma fórmula mágica que é aplicável para todo mundo.

Lorenzo Ferrari Assú Tessari, especialista em aprendizagem e metodologias de ensino e diretor e da Gama Ensino, explica como utilizar a Teoria de Resposta ao Item (TRI) a favor dos candidatos.

Foto: Divulgação / Anole
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

De maneira simples, a TRI se importa não só com quantas questões foram acertadas, mas também com quais foram as questões acertadas. Assim, é feito um ranqueamento das questões em níveis de dificuldade e são dados pesos diferentes para essas questões.

As mais fáceis têm um maior peso, e as mais difíceis tem um menor peso, isso tudo para privilegiar a “coerência pedagógica” do exame. Nesse sentido, também são prevenidas incongruências: se um candidato erra as questões mais fáceis e acerta as mais difíceis, subentende-se que ele pode ter chutado as questões mais difíceis já que não tem domínio das fáceis.

Como a prova do Enem possui muitas questões para serem feitas em um tempo reduzido e pelas próprias diretrizes que regem a elaboração do Enem, fica complicado resolver todas as questões, da 1ª a 90ª, sem uma estratégia formada.

Afinal, muitas vezes o candidato não consegue chegar ao final do teste e acaba deixando de fazer questões fáceis que poderiam somar muitos pontos em seu resultado final. Nessa lógica, para maximizar a nota é necessário acertar as questões fáceis. Logo, o professor defende a seguinte ordem para que a prova seja feita:

1° questões fáceis;
2° questões médias;
3° questões difíceis.

Mas como saber quais questões são as "fáceis"?

Não existe uma forma exata para saber quais serão as questões fáceis e as difíceis. Mas com estratégia é possível tendenciar o tempo para que ele seja primariamente destinado a resolver as fáceis.

Por exemplo, se temos uma questão que o candidato saiba resolver mesmo levando um bom tempo para isso, é possível presumir que essa questão não é “fácil” para a maioria dos candidatos e ficar tentando a resolver por vários minutos, leva a uma perda de tempo precioso na prova.

Em termos práticos, é um tempo gasto com questão que pontua pouco. Para resolver esse problema, é necessário classificar as questões antes de resolvê-las.

Para isso, elas serão divididas em dois grupos que exigem diferentes estratégias de resolução: as de texto (questões que trazem conceitos e frases nas alternativas), e as de cálculo (questões que envolvem cálculos matemáticos, via de regra destinadas a área de exatas).

Questões de texto: o foco deve ser em eliminar alternativas

1) Se o candidato conseguir eliminar quatro alternativas, entende-se como fácil;
2) Se o candidato conseguir eliminar duas ou três alternativas, entende-se como média;
3) Se o candidato conseguir eliminar zero ou uma alternativas, entende-se como difícil.

Questões de cálculo: o foco deve ser em esquematizar a resolução

1) Se a questão pode ser resolvida com a interpretação de tabela e gráfico ou envolve apenas um passo de cálculo, entende-se como fácil;
2) Se a questão pode ser resolvida com dois ou mais passos de cálculo, entende-se como média;
3) Se o candidato não consegue resolver a questão de pronto, entende-se como difícil.

Nos dois modelos, as questões fáceis são resolvidas pelos alunos no ato da classificação. E ao identificar as médias e difíceis, é interessante marcá-las com o nível e seguir adiante. 

Nesse plano de eficiência, o candidato chegará ao final da prova tendo resolvido todas as “fáceis”, tendo classificado as questões médias e difíceis, além de já ter eliminado as alternativas que não devem ser marcadas e esquematizado os passos lógico-matemáticos que devem ser operacionalizados.

Vale ressaltar que nesse primeiro momento a cabeça do candidato está fresca e seu poder de julgamento está no ápice para eliminar alternativas e esquematizar a resolução de problemas. 

Por isso é importante pular questões para conseguir ter uma noção geral de todas elas. Após isso, retorna-se ao início fazendo as questões médias e, então, caso exista tempo útil, também as difíceis.

Mas cabe aqui uma informação importante: qualquer estratégia empregada deve ser treinada exaustivamente anteriormente e não deve ser realizada pela primeira vez no dia da prova. 

Caso o candidato já tenha domínio de uma estratégia que funcione, deve-se ponderar se há necessidade de mudança nessa reta final.

E quanto às áreas, qual fazer primeiro?

Dessa forma, cada candidato tem o seu ponto forte e ponto fraco. Ou seja, iniciar pela área que se tem mais segurança é o mais indicado para ganhar confiança e garantir o acerto de um maior número de questões que são de domínio daquele estudante específico. 

Em outras palavras, para não se correr risco de errar uma questão que se tem domínio por estar cansado mentalmente.

Últimas