Folha Vitória Entenda por que a língua presa atrapalha a amamentação

Entenda por que a língua presa atrapalha a amamentação

Ortodontista Catarina Riva destaca que bebês com anquiloglossia tendem a regurgitar mais

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O mês de agosto é conhecido na área da saúde como Agosto Dourado, voltado para campanha de promoção e incentivo à amamentação. Para facilitar a pega e sucção do bebê, a Lei 13.002/2014 instituiu a obrigatoriedade do Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em Bebês (Teste da Linguinha). 

A ortodontista Catarina Riva explica que o procedimento é utilizado para a detecção precoce da anquilosoglossia, que é conhecida popularmente como língua presa.

“A língua presa é uma alteração congênita em que aquela pele embaixo da língua é mais curta do que deveria. Isso atrapalha o bebê a sugar, mastigar, engolir e também no desenvolvimento da fala. Essa alteração faz também com que o bebê engula muito ar contribuindo para aumentar as chances de regurgitando do leite e materno e a ocorrência de gases e cólicas”, explica Catarina.

Língua presa dificulta sucção e pode machucar a mãe

A especialista orienta que as mamães observem se o recém-nascido tem muita dificuldade de fazer a pega correta e consultem um profissional habilitado para avaliar a língua do bebê. 

“A dificuldade na amamentação em função da língua presa atrapalha o ganho de peso do bebê e pode machucar os seios da mãe. O diagnóstico adequado ajuda a evitar o desmame e também melhora a qualidade de vida das mães e dos bebês”, ressalta.

Veja quais são os três tipos de tratamento para correção da língua presa: 

Frenectomia - a retirada da pele;

Frenuloplastia - a reposição cirúrgica;

Frenotomia- o corte e divulsão;

“A escolha do procedimento é realizada de acordo com o caso e avaliação individual do bebê”, destaca Catarina.

Alterações na fala e formação orofacial

A alteração no frênulo da língua se não tratada pode comprometer o desenvolvimento da fala (dislalia), onde a criança apresenta dificuldades em articular palavras, omite ou troca sons; compromete o crescimento orofacial, causando alterações na respiração; interfere na limpeza dos dentes e até dificulta o beijo.

Últimas