Folha Vitória Entenda quais são os riscos de pegar covid-19 no transporte público

Entenda quais são os riscos de pegar covid-19 no transporte público

Dentre os fatores mais preocupantes, está a impossibilidade de manter o distanciamento mínimo de um metro recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para prevenir o contágio

Folha Vitória
Foto: Leitor | Whatsapp Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A flexibilização da quarentena e a reabertura econômica aumentam a demanda por transporte público e, consequentemente, o risco de transmissão do novo coronavírus, que causa a covid-19. 

Dentre os fatores mais preocupantes, está a impossibilidade de manter o distanciamento mínimo de um metro recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para prevenir o contágio.

"Tudo aquilo que vai contra a nossa recomendação aumenta a chance de contágio. O transporte não permite o distanciamento de um a dois metros. Se não permite uma boa ventilação, também é um problema. Quanto maior a troca de ar, mais seguro é o ambiente", afirma a infectologista Ingrid Cotta da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Em entrevista ao R7, a infectologista da Unicamp e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Raquel Stucchi afirmou que em todos os lugares a possibilidade de contágio depende de três aspectos básicos: número de pessoas presentes, tempo de permanência no local e existência ou ausência de ventilação.

Ingrid observa que o uso de máscara e de álcool em gel para higienizar as mãos são medidas que diminuem o risco. No entanto, há situações que exigem atenção. "Me preocupa quando eu penso naqueles ônibus fretados, porque eles são hermeticamente fechados e as pessoas ficam de uma a duas horas ali. Eu já tratei de uma paciente que, provavelmente, pegou [o vírus] assim", lembra.

Dados de uma pesquisa feita em junho pela Rede de Pesquisa Solidária mostraram que medidas adotadas por Estados e municípios em relação ao transporte público com o objetivo de frear a pandemia acabaram expondo ainda mais as populações periféricas de grandes metrópoles - como São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba - ao risco de pegar coronavírus.

O estudo, coordenado por Mariana Giannotti, pesquisadora do CEM (Centro de Estudos da Metrópole (CEM) e professora da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), mostrou ainda que as mudanças no sistema de transporte aumentaram em até 80% a frequência nas estações de metrô e trem localizadas nas regiões periféricas das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

No contexto de flexibilização da quarentena em São Paulo, o aumento na quantidade de passageiros não foi acompanhado pela ampliação da frota de ônibus.

Em 18 de junho, foram transportadas 1,3 milhão de pessoas em 11.779 ônibus. Dois meses depois, em 19 de agosto, o número de passageiros havia subido para 1,7 milhão ao passo que a quantidade de ônibus caiu para 11.001. Já a média de lentidão no trânsito quase duplicou nesse intervalo: foi de 24 km para 46 km. Os dados são da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que produz um boletim diário de mobilidade e transportes diante da pandemia de covid-19.

Nesse cenário, as recomendações para evitar o contágio pelo novo coronavírus seguem as mesmas. "Sempre levar álcool em gel e passar depois de tocar em superfícies, usar a máscara e dar preferência a lugares com ventilação", aconselha Ingrid. "A responsabilidade é de quem faz a gestão e de quem utiliza [o transporte]", acrescenta.

FONTE: Portal R7

Últimas