Folha Vitória ES registra 73 homicídios em agosto e atinge melhor resultado da série histórica

ES registra 73 homicídios em agosto e atinge melhor resultado da série histórica

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho, o trabalho das forças policiais tem sido fundamental no combate ao crime organizado e tráfico de drogas atuante no Espírito Santo

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O Espírito Santo registrou no mês de agosto 73 casos de homicídios. O número equivale ao mesmo período em 2019, que era o melhor desde 1996 para um mês de agosto.  

Apesar de manter o número de crimes violentos estável em relação ao ano passado, no acumulado de 2020, entre janeiro e agosto, 773  homicídios foram cometidos no estado. Um número maior que a redução histórica de 2019, mas o segundo melhor desde 1996.

O melhor resultado entre os municípios foi de Vila Velha, que alcançou a segunda menor marca de mortes para um mês em 2020, com sete casos em 31 dias. 

A Região Metropolitana alcançou a mesma situação do Estado, com o menor número de crimes para um mês de agosto, com 38 casos, também empatado com o ano passado. Nas regiões sul, noroeste e serrana foram registrados oito, seis e três assassinatos, respectivamente, durante agosto. A região norte manteve a redução registrada no mês de julho, com 5,1% a menos que 2019 no acumulado, e fechou também igual a agosto de 2019, com 18 assassinatos.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho, o trabalho das forças policiais tem sido fundamental no combate ao crime organizado e tráfico de drogas atuante no Espírito Santo, responsável por cerca de 80% dos crimes.

Ramalho ainda destacou que, apesar do resultado de redução, não há nada a se comemorar quando o assunto é homicídio. “Uma vida perdida já nos entristece. Mas, estamos buscando fazer um trabalho policial eficiente e o Governo tem um olhar social para essas comunidades, mesmo dentro de uma pandemia. O lado social não pode ser esquecido e quando se fala em combate ao crime, estamos falando em dar oportunidade para os nossos jovens não perderem a vida entrando para o tráfico de drogas, seja por ser executado, ou até mesmo ir para a cadeia”, ressaltou.

Últimas