Folha Vitória ES terá remédios para tratar covid-19 na rede pública a partir de junho

ES terá remédios para tratar covid-19 na rede pública a partir de junho

Após período de estabilidade, Estado registrou aumento de 57% no número de casos positivos para a doença nas últimas semanas

Foto: Divulgação/Pexel
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A secretaria de Estado da Saúde pretende disponibilizar remédios para o tratamento da covid-19 a partir do mês de junho deste ano na rede pública. O anúncio foi feito pelo secretário Nésio Fernandes, durante um pronunciamento essa semana.

"Temos a expectativa de no mês de junho já ter a disponibilidade de tratamentos específicos com os dois medicamentos já incorporados pela Conitec para o tratamento de pessoas afetadas pela covid-19", disse o secretário.

Em março deste ano, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), órgão do Ministério da Saúde, recomendou a inclusão do primeiro medicamento para tratar a covid-19 pelo SUS.

Aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em setembro de 2021, o "baricitinibe" já é usado para tratamento de artrite. Já o "paxlovid", também aprovado pelo órgão, tem a autorização temporária e de uso emergencial.

Casos de covid-19 voltaram a aumentar no Espírito Santo

Ainda durante o pronunciamento Nésio alertou para o aumento de 57% no registro de casos positivos de covid-19 nas últimas semanas. 

"O Espírito Santo apresenta um cenário de controle da pandemia, mas observamos a consolidação de crescimento de casos da covid-19. Saímos de 321 casos há três semanas para mais de 900 casos na última semana. A positividade dos testes de antígeno saíram da casa de 1% para 7%", afirmou o secretário de Estado da Saúde.

Segundo Nésio, será necessário reforçar as medidas para reduzir o impacto de uma possível nova onda, além disso, pontuou que cerca de 90% da população adulta já foi vacinada com duas doses e cerca de 40% dos idosos já tomaram a quarta dose. 

Por um outro lado, 1,4 milhão de capixabas estão com a segunda ou terceira dose em atraso. "A cobertura vacinal vem apresentando um resultado esperado no controle das internações e óbitos pela covid-19. A quantidade dos capixabas com vacinação atrasada pode representar um risco muito grande de padrões não conhecidos", destacou.

Leia também: Covid-19: ES terá um mutirão de vacinação por mês até fim do ano

Média do ritmo de vacinação caiu no ES

Um outro quesito que preocupa as autoridades de saúde do Estado está relacionado ao ritmo de vacinação da população capixaba: de 22 mil doses aplicadas diariamente, despencou para 6 mil doses por dia.

"Nós precisamos recuperar a capacidade de vacinação da população e deixar claro que a vacinação é uma medida de prevenção, de controle e ela não pode estar associada como simplesmente uma resposta de mitigação de redução dos impactos de grandes ondas que evoluem com hospitalizações e óbitos", reforçou Fernandes. 

Últimas