Especialista lista cinco fatores de risco para o envelhecimento precoce dos dentes

Considerada a doença bucal mais incidente da década, hipersensibilidade dentária é causada por maus hábitos e estilo de vida das pessoas

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A lesão cervical não cariosa (LCNC) é a doença odontológica de maior incidência nos dias de hoje e seu primeiro sintoma é a hipersensibilidade dentária: proveniente dos hábitos diários dos indivíduos e não de bactérias, como muitos pensam.

De acordo com o Dr. Thiago Altro, da Clínica AltroVilela, hoje em dia, a doença não cariosa é encontrada em 30% dos jovens entre 25 e 30 anos, e não apenas no público de faixa etária acima dos 70 anos. "Uma vez que o esmalte do dente é perdido, a dentina é exposta e ocorre a hipersensibilidade (dor). Com a retração precoce da gengiva, a lesão evolui para uma cavidade que, se não for tratada, pode resultar na perda do dente", afirma Altro.

Há anos, o ser humano é condicionado a evitar cáries e recebe orientações dos pais e profissionais da saúde bucal sobre escovação e consumo excessivo de açúcares e derivados. No entanto, o cirurgião-dentista explica que o estilo de vida das pessoas também pode levar ao envelhecimento precoce dos dentes devido ao desgaste prematuro do esmalte.

>> O profissional destaca cinco grupos de pacientes que possuem maior prevalência dessa doença

1. Ex-usuários de aparelhos ortodônticos: apesar da correção, em alguns casos, podem ocorrer alterações irreversíveis na estrutura do osso. Por isso, é necessário o acompanhamento odontológico para evitar as retrações gengivais;

2. Pessoas com algum tipo de doença gástrica, como refluxo e gastrite, que se submeteram à cirurgia bariátrica ou utilizam balão intragástrico. Esses pacientes apresentam degradação bi corrosiva do esmalte e da dentina causada pelo ácido clorídrico do estômago;

3. Atletas amadores com nutrição esportiva que inclui um grande volume de bebidas cítricas, como água com limão espremido (para aumentar o metabolismo), chás verdes e isotônicos. Nesse caso, o dentista solicitará um relatório de dieta para indicar o creme dental correto;

4. Apertadores dentais: indivíduos que cerram, trincam e rangem os dentes, provocando uma sobrecarga na articulação temporomandibular. De acordo com pesquisas, cerca de 70% das pessoas ansiosas se encaixam nesse perfil;

5. Indivíduos em tratamentos agressivos e que sofrem os efeitos colaterais de medicamentos, como os de quimioterapia e radioterapia.

Altro ressalta que algumas evidências dessa doença podem ser facilmente identificadas no espelho durante a escovação, como pontas de dentes desgastados ou com serrilhados, pequenos "degraus", retrações gengivais e raízes expostas. "O corpo dá vários sinais antes do problema atingir um grau avançado. Por isso, se a pessoa fizer parte de algum grupo de risco ou notar os indícios, é importante que consulte um dentista para analisar o caso e indicar o tratamento adequado", recomenda o especialista.