Especialistas alertam que barba falhada tem solução

Tratamento para barba falhada é o mesmo utilizado para aumentar os fios da cabeça

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

De acordo com pesquisa feitas em consultórios dermatológicos, a barba cheia e bem feita é o desejo de 9 em cada 10 homens. Ao longo da história, a presença da barba atribuiu diversas qualidades ao homem, como sabedoria, respeito e virilidade. Atualmente, voltou a ser tendência e vontade de muitos homens no mundo. Aqueles que possuem menos pelos, ou com barba falhada têm procurado alternativas para deixá-la preenchida. Vários são os tratamentos e fórmulas que podem ajudar a alcançar esse objetivo.

A farmacêutica da Mônica Manipulação, Olga Martins disse que hoje existem fórmulas muito eficientes e que funcionam para tratamento diário no home care. “Uma que considero bem interessante é o sérum crescimento para barba. Ele reduz a queda dos pelos da barba, estimula o crescimento de novos fios e melhora a aparência, reduzindo as falhas”, disse.

Com 30 dias de tratamentos consecutivos já nota-se uma melhora nas falhas. Para alcançar um bom resultado é importante realizar uma aplicação por dia, antes de dormir e deixar o sérum agir durante toda a noite. 

De acordo com o farmacêutico esteta, César de Alencar o tratamento para barba falhada é o mesmo utilizado para aumentar os fios da cabeça. “Recomendo a intradermoterapia e o microagulhamento como tratamentos bastante eficazes”, disse.

Procedimentos 

De acordo com César de Alencar, a intradermoterapia é semelhante ao tratamentos realizado com enzimas, só que na barba e com agulhas menores. "Consiste na aplicação de substâncias ativas diretamente na face, que visa controlar e interromper a queda dos fios. Paralelamente o tratamento também atua na estimulação, nutrição e crescimento de novos fios”, disse. Já o microagulhamento capilar consiste em microperfurações realizadas com um dermaroller e aplicação de ativos que estimulam o crescimento dos fios. "A aplicação é minimamente invasiva”, completou Alencar. 

A diferença entre um tratamento e o outro é que no primeiro a agulha já aplica o produto ao penetrar na camada superficial da pele. No segundo, os furinhos são feitos e depois aplica-se o produto.