Folha Vitória 'Estávamos na melhor fase da nossa vida', diz grávida agredida pelo marido na Serra

'Estávamos na melhor fase da nossa vida', diz grávida agredida pelo marido na Serra

A vítima está grávida de sete meses. Ela foi agredida com golpes de faca e ainda caiu da escada tentando fugir do agressor

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A grávida que foi esfaqueada pelo marido no bairro Cidade Pomar, na Serra, falou com exclusividade com a equipe de jornalismo da TV Vitória/RecordTV e lembrou dos momentos de terror que viveu.

O crime aconteceu no último sábado (22) e além dos golpes de faca, a mulher chegou a cair da escada enquanto tentava fugir. Além do medo, as agressões deixaram marcas pelo corpo da vítima. Com curativos na mão e machucados nas pernas e joelhos, a mulher, que está grávida de sete meses lembra que antes do crime, o marido apresentava um comportamento estranho.

"Ele falou que, se alguém tentasse entrar dentro de casa e fazer qualquer coisa com a filha dele, ele ia matar essa pessoa porque estava com mania de perseguição. Nesse momento ele me olhou e disse que ia me matar. Ele não alterou a voz, não gritou e nem nada. Só olhou para mim e falou que ia me matar. Eu não acreditei e nessa hora ele já veio pra cima tentando me enforcar. No tempo que ele soltou uma das mãos e foi pegar a faca eu consegui gritar".

A vítima contou que no momento das agressões o homem não falava nada. Ele ficou em completo silêncio enquanto ela gritava e pedia ajuda. Ao ouvir os gritos, a filha da vítima acordou. Vendo a cena da mãe sendo agredida, a menina começou a gritar e a mãe pediu para que ela fugisse e pedisse socorro.

Mesmo  ferida, a mulher conseguiu correr e pedir ajuda na casa de uma vizinha. "Independente de qualquer sequela que eu ficasse, só pensava em ficar viva e ajudar minha filha e meu bebê".

O crime aconteceu por volta das 23 horas de sábado. Depois de esfaquear a esposa, o homem ainda golpeou dois vizinhos com uma faca. 

Prisão

Depois de ser contido por populares e detido pela polícia, o homem foi encaminhado para o Plantão Especializado da Mulher. O suspeito foi autuado em flagrante por tentativa de feminicídio e em seguida foi levado para o Centro de Triagem de Viana. 

Ele passou pela audiência de custódia e teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva. Isso porque o juiz entendeu que caso o suspeito ficasse em liberdade, ele poderia voltar a cometer crimes semelhantes.

Vida conjugal saudável

A vítima tem 29 anos e o agressor, 38. O casal vive junto há dez anos e tiveram uma filha que está com oito anos. A mulher está esperando o segundo filho do casal. 

 "Eu sei que ele não é um homem agressivo. Ele nunca me ameaçou ou m. Nunca formos um casal que fica brigando e estávamos na melhor fase da nossa vida. Eu não tenho raiva dele. Meu medo é do que ele pode fazer com a vida dele. Ele ama muito essa filha, ela é muito apegada. Além disso planejemos esse bebê. Meu medo é o que pode acontecer com ele daqui para frente".

Noites sem dormir, dor no peito e falas desconexas. Esses foram alguns sinais que, há cerca de 10 dias, a vítima começou a perceber no esposo. Há oito anos, o homem foi diagnosticado com depressão.

"A gente foi ao psiquiatra e falei que ele já teve caso de depressão, e que provavelmente estava voltando a ter porque os sintomas estavam bem parecidos".

Sobre a filha de oito anos que presenciou toda a cena da agressão, a mulher fez questão de lembrar o papel de suma importância que a criança teve.

"Em primeiro lugar, foi um triplo livramento de Deus porque foi a minha vida, a vida do meu bebê e a dela. Esse momento foi crucial porque se os vizinhos não entrassem eu não teria mais forças para lutar. Eu já estava muito fraca. Ela foi uma heroína".

* Com informações da repórter Polyana Martinelli, da TV Vitória/RecordTV

Últimas