Folha Vitória "Eu queria ser delegado", diz idoso de 103 anos que voltou aos estudos

"Eu queria ser delegado", diz idoso de 103 anos que voltou aos estudos

A idade não foi empecilho para o centenário Pedro Francisco de Souza que contou com o apoio do filho para retomar os estudos

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma história que emociona e dá orgulho! Pedro Francisco de Souza tem 103 anos e, além do adjetivo "idoso", agora ele também pode ser chamado de estudante. A idade não foi empecilho para ele, que na melhor das melhores idades, decidiu voltar aos estudos na escola municipal Suzete Cuendet, no bairro Maruípe, em Vitória.

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O aluno é o mais velho matriculado no programa de Educação para Jovens e Adultos (Eja) e é orgulho de toda a equipe escolar.

"Ele emociona todo mundo. Já teve dias em que ele queria orar por mim antes de ir embora. Ele sempre foi muito grato pela nossa recepção", contou a diretora da escola, Rúbia Xibili.

Com andar devagar, porém sempre firme, o estudante de 103 anos tem feito as tarefas em casa devido à pandemia, mas nunca está sozinho porque conta com a ajuda do filho. 

Sobre a experiência da vida escolar, Pedro diz que tem sido momentos positivos. "Eu estou achando bom ficar ali no meio de todo mundo, me alegrando e estudando".

É muita experiência

Pedro é natural do município de Camaçari, no interior da Bahia. É tanta experiência que ele já viu duas guerras mundiais, várias pandemias, mais de 20 presidentes, mudança de moeda e até de regime. Ele começou a trabalhar bem cedo e não tinha como estudar. 

"Meu pai não tinha possibilidade de me ajudar nos estudos, então eu precisei trabalhar com ele".

A família é grande! Ao todo são 17 filhos, 22 netos e 10 bisnetos. A motivação para os estudos veio do filho André de Souza que, além de cuidar dele, também se matriculou no Eja. André tinha largado os estudos, mas acabou virando exemplo para o pai.

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Família de Pedro Francisco de Souza

"Um dia eu indo para a escola ele me perguntou se a professora aceitaria ele. Eu disse que ia perguntar e que se ela aceitasse eu o levaria. Na hora que eu falei, a professora pediu para levar ele".

O tempo passou e os papéis se inverteram. O filho de Pedro lembra que, mesmo com toda a dificuldade, o pai sempre apoiou o estudo na vida dos filhos.

"Quando eu era criança ele ia me levar na escola, mesmo cansado do trabalho ele me levava. Isso me faz lembrar que ele cuidou de mim nessa parte e agora eu levo ele para a escola também".

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
André Souza, de 46 anos, é um dos filhos de Pedro Francisco

Pai e filho dividindo o mesmo ambiente escolar e fazendo parte de uma grande estatística. Pedro e André fazem parte dos mais de 2.025 alunos matriculados no programa de Educação para Jovens e Adultos de Vitória.

Desse total, 154 desses alunos têm entre 60 e 69 anos. 43 deles tem entre 70 e 79 e 14 estão na faixa de 80 a 89. Depois disso surge Pedro Francisco, no topo, com 103 anos.

"A presença dele na escola deixou a gente, toda a equipe de direção e os próprios alunos muito felizes. É muito gratificante ver uma pessoa que nunca teve a oportunidade de estudo na vida poder retomar e seguir os sonhos", afirmou o coordenador pedagógico da escola, Gean Jaccoude.

Vida ativa

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Além de se dedicar aos estudos, Pedro ainda arranja tempo para se dedicar à música tocando violão. Ele também adota bons hábitos alimentares e até limpa o quintal da casa. Para a geriatra Waleska Binda, chegar nessa idade igual ao idoso requer mudança de hábitos.

"Para chegarmos a essa idade com essa lucidez, é  importante que os idosos ou os jovens procurem fazer uma atividade física regular e uma dieta saudável. É importante que as pessoas se alimentem bem, evitando quantidades exageradas de sal, açúcar e massa".

Apesar da boa vontade e do esforço, Pedro ainda tem um caminho longo a percorrer na vida estudantil. Ele está no primeiro segmento do Eja, que corresponde aos primeiros anos do ensino médio. Pedro entende o poder da educação e sonha grande com os estudos. "Eu queria ser um delegado, coisa pequena".

* Com informações do repórter Michel Bermudes, da TV Vitória/RecordTV

Últimas