Exames periódicos reduzem em 20% a mortalidade do câncer colorretal

Alimentação rica em fibras e praticar atividade física contribuem para prevenir a doença

Foto: Divulgação / Pexel
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Considerado o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens (após próstata e pulmão) e o segundo entre as mulheres (após o câncer de mama), o câncer colorretal é um tumor que acomete o intestino grosso (subdividido em cólon e reto). Esta doença está se tornando cada vez mais incidente na população brasileira. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa é de 36.360 novos casos por ano. 

Com o objetivo de conscientizar a população e desmistificar o câncer de intestino, a Sociedade Brasileira de Coloproctologia promove o Setembro Verde, um mês dedicado a alertar, informar e divulgar assuntos relacionados ao câncer de intestino.

“O diagnóstico precoce e cuidados devem ser realizados para garantir que as pessoas entendam mais sobre o problema e saibam o que fazer ao notar algum sinal de alarme ou sintoma”, explica o médico oncologista do Hospital Evangélico José Zago Pulido.

De acordo com o médico, as orientações para se chegar ao diagnóstico precoce são bastante simples. “Pesquisa de sangue oculto nas fezes anual a partir dos 50 anos ou colonoscopia a cada 5 a 10 anos a partir dos 50 anos. Com essas medidas, podemos reduzir a mortalidade em 20%”, disse.

A doença

O câncer de intestino, quando detectado no início, é tratável e curável. É um problema que pode acontecer em função da predisposição genética e possui também relação com o estilo de vida e alimentação (Consumo excessivo carne vermelha e defumados. Além disso, o consumo de álcool e tabaco são fatores de risco que podem aumentar a chance do desenvolvimento do câncer de Intestino.

Como forma de prevenção, o Dr. Pulido recomenda: “ter uma alimentação rica em fibras e praticar atividade física é uma boa dica não somente para evitar o câncer colorretal para também para manter a saúde em dia.”