Folha Vitória Exclusivo: TV Vitória mostra a batalha pela vida em UTI de hospital referência no tratamento da covid-19 no ES

Exclusivo: TV Vitória mostra a batalha pela vida em UTI de hospital referência no tratamento da covid-19 no ES

O Jayme dos Santos Neves recebe pacientes de todo o estado. São pessoas de todas as idades que lutam, muitas vezes com forças reduzidas, em busca da vida

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um time formado por editor de texto e de vídeo, cinegrafista, produtor e repórter é o básico para levar ao público uma reportagem sobre um determinado assunto. Desta vez, as diversas mãos foram direcionadas para retratar o trabalho, a luta e a garra de um time muito maior, que são aqueles que estão na linha de frente do combate á covid-19. Diante da pandemia, o esforço de cada um é preciso para cumprir uma missão única: salvar vidas.

No momento em que o Espírito Santo e o Brasil registram um novo aumento de casos e mortes, causados pelo vírus, a TV Vitória/Record TV mostrou a realidade da pandemia vista do lado de dentro do Hospital Jayme dos Santos Neves, na Serra, referência no tratamento da covid-19 no estado. É o retrato da realidade, registrado ao lado de quem luta contra a doença e de quem luta para salvar as vidas afetadas pelo inimigo invisível.

O hospital recebe pacientes de todo o estado. São pessoas de todas as idades que lutam, muitas vezes com forças reduzidas, em busca da vida. Do lado de fora, a proximidade das festas de fim de ano faz aumentar o movimento das ruas, praias e comércio. Já do lado de dentro da unidade hospitalar, o número de internações de pacientes infectados pelo novo coronavírus cresce em uma proporção inigualável.

Confira a reportagem completa:

De acordo com o chefe de redação da Rede Vitória, Thiago Bruniera, a proposta da reportagem especial foi, de fato, mostrar para o telespectador a realidade do interior de um hospital e dos profissionais que se dedicam, incansavelmente, ao trabalho de salvar vidas daqueles, muitas vezes, desconhecidos.

"Desde o início da pandemia, temos tentado entrar nas UTIs exclusivas para o tratamento da covid-19 no Jayme, que é o coração do combate assistencial no Espírito Santo. Na primeira onda, não conseguimos e depois os casos entraram em controle. Mas agora, desde que os casos voltaram com muito mais força, e as pessoas não estão dando a importância devida, quisemos entrar com imagens para tentar mostrar o que os médicos sempre falaram. É a essência do jornalismo: tentar fazer com que as pessoas vejam para crer", disse Bruniera.

Beatriz Figueiredo, chefe de pauta da TV Vitória/Record TV, fez a produção para a reportagem. Ela foi a responsável, dentre outras funções, por entrar em contato com a Secretaria de Saúde e fazer os agendamentos para as gravações das imagens e dos depoimentos. Para ela, a exibição acontece em um momento importante, para que haja conscientização quanto aos cuidados que ainda são necessários.

"Para produzir o material, tínhamos as barreiras próprias do vírus. Depois que o material chegou, para nós assistirmos, foi uma carga emocional muito forte pra todo mundo. Eu ainda choro assistindo alguns trechos. É doído. Para mim, a parte mais difícil foi a parte emocional. Nosso desafio foi conseguir enxergar a verdade pelo olhar dos profissionais de saúde. É grave, sério e precisamos acreditar e enxergar o outro com realidade", disse.

Não há reportagem para a TV se não houver imagens a serem exibidas. Enquanto a regra é se defender e se proteger dos locais com foco da doença, o cinegrafista Diego Simão, com todos os aparatos de proteção e segurança, teve a missão de adentrar no 'olho do furacão' para mostrar a realidade cada vez mais perto e real.

"Fiquei apreensivo. Enquanto todos fogem do vírus, eu estava entrando em um local de tratamento da doença. Então era certeza de que o vírus estava lá. Me preocupei, mas encaro como profissional. De alguma forma, isso seria necessário. Tomando todas as precauções possíveis para encarar o desafio", relatou Diego.

Veja o relato dos profissionais envolvidos na reportagem:

Bruniera explicou ainda que a linguagem usada na produção da reportagem foi diferente do que, normalmente, é visto do dia a dia da televisão. "Fizemos essa produção de uma maneira diferente. Não tem um repórter contando a história. É um repórter cinematográfico e a história é contada pelos próprios médicos e funcionários. Tudo isso para tentarmos atingir ao máximo o propósito de mostrar a realidade da UTI e dizer 'é isso que está acontecendo'". explicou.

Para Beatriz, o momento é oportuno e é preciso mostrar que a realidade que muitos não 'enxergam' é diferente do que, de fato, está acontecendo. "Vimos o número de casos diminuir e brotou esperança no coração de todo mundo. As pessoas caíram no erro de voltar a viver no mundo normal, que de normal não tem nada. Estar lá dentro para entender o que os profissionais enfrentaram ao longo do ano e, agora, ver esses números crescendo novamente, faz com que nós, jornalistas, tenhamos essa vontade de estar por dentro de tudo. Estávamos mostrando de fora, mas precisávamos mostrar o que acontece dentro, em um leito de UTI. Há solidão, há desespero. Quem está de fora, em um mundo 'normal', precisava ver isso", relatou.

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Para Diego, estar ao lado dos profissionais que trabalham incansavelmente pela vida daqueles que lutam para se recuperar, fez com que o olhar sobre os enfermeiros e médicos se tornasse ainda mais admirável. "Conheci enfermeiros e médicos que estavam ali com muita dedicação. Foi emocionante ver de perto a correria e a atenção que eles tinham a cada segundo, a cada respiração, com cada paciente. Ver pessoas lutando pela vida, aumentou a minha preocupação. Vi pacientes lúcidos, mas que não tinham forças para nada. A única preocupação era respirar. Eles não tinham forças para falar ou para qualquer outro movimento. Isso me marcou muito", contou o cinegrafista.

Quem também se emocionou ao ter contato com o material foi o editor de vídeo, Tiago Rosa. Apesar de não ter ido até o local das gravações, ele teve acesso ao material bruto e a oportunidade de ver, mesmo que por uma tela, a realidade existente dentro do Jayme. "Foi um trabalho difícil. As imagens são pesadas e precisamos levar, junto com a trilha, essa emoção. As cenas dizem por si só. Só de assistir, já dá para se emocionar. É chocante ver pessoas que estão em situações complicadas a ponto de perderem a vida. É um material pesado de ser editado. Nesse processo de edição a gente se envolve bastante. Eu fiquei emocionado ao finalizar a edição da matéria", relatou.

Editar, produzir, escrever e filmar é a rotina de trabalho diária de todos os profissionais envolvidos neste material. No entanto, a reportagem exibida no Balanço Geral desta terça-feira (22) trouxe uma carga que emocionou e fez aflorar o lado humano de cada um dos profissionais. "Eu assistia a pandemia com a dor dos parentes. Hoje, eu enxergo a dor da perda e a dor de quem trabalha 'enxugando gelo', pois é essa a sensação que a gente tem. Elas estão lá para cuidar de quem elas nem conhecem", contou Beatriz.

Diante da realidade vista e mostrada, Bruniera também relata que a visão sobre cada profissional envolvido na luta pelas vidas dos pacientes se tornou ainda mais admirável. "Minha percepção em relação aos profissionais de saúde, por mais que já fosse positiva, aflorou ainda mais. Hoje eu valorizo cada um deles com mais força", finalizou o chefe de Redação.

Últimas