Folha Vitória Faculdades do Espírito Santo retomarão aulas com revezamento de alunos

Faculdades do Espírito Santo retomarão aulas com revezamento de alunos

Instituições de ensino poderão voltar com as atividades presenciais a partir do dia 14 de setembro, conforme anunciou o governo do Estado na quarta-feira

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Após o anúncio do governo do Estado de que faculdades e universidades do Espírito Santo poderão retomar as aulas presenciais a partir do dia 14 de setembro, diversas instituições de ensino superior se preparam para receber de volta os estudantes. No entanto, inicialmente nem todos estarão nas salas de aula ao mesmo tempo. Para garantir o distanciamento, será feito um revezamento entre os alunos.

Durante o anúncio do retorno das aulas presenciais, feito durante uma entrevista coletiva na tarde de quarta-feira (26), o governador Renato Casagrande explicou que as instituições precisarão seguir todas as regras do protocolo de combate ao novo coronavírus, divulgado pelas secretarias estaduais de Educação e de Saúde, no dia 8 deste mês.

"A instituição pública ou privada que quiser retornar, poderá. Lógico que com o protocolo de revezamento — nem todos ao mesmo tempo na aula —, com distanciamento, medição de temperatura, isolamento das pessoas do grupo de risco. E quem não quiser retornar poderá continuar no ensino à distância", afirmou o governador, na ocasião.

O superintendente do Sindicado das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Geraldo Dório Filho, afirma que as instituições de ensino superior estão prontas para voltar a receber os estudantes. Disse ainda que as regras seguidas pelas faculdades estão de acordo com o protocolo.

"Uso de máscara, utilização do álcool em gel, distanciamento, medição de temperatura, cuidados com o ambiente — no caso da higienização e desinfecção a cada turno —, redução do número de alunos, de forma a evitar aglomeração tanto na entrada como na saída", pontuou.

>> Governo do ES ainda não tem data para divulgar protocolo do retorno do ensino infantil

Em uma faculdade particular de Vitória, cartazes com orientações foram afixados em diversos pontos. Nos elevadores da instituição, só poderá entrar uma pessoa de cada vez. Já os bicos dos bebedouros foram lacrados e, para beber água, será preciso utilizar copo ou garrafinha.

"Por mais que as pessoas saibam da necessidade do distanciamento, da não aglomeração, de usar a máscara, da importância de lavar as mãos e de passar o álcool 70, lembrar o tempo todo é muito importante, porque a gente precisa se adaptar a essa nova realidade", destacou a pró-reitora acadêmica da faculdade, Carla Letícia Alvarenga Leite.

Nas salas de aula da instituição, parte das carteiras já foram retiradas. Inicialmente, apenas 100 dos cerca de mil alunos poderão estar na faculdade simultaneamente, no mesmo turno. A prioridade será dada para as aulas práticas, mais afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

"Mesmo essas práticas virão de forma gradual. Então tem todo um cronograma que foi estruturado para que a gente consiga também ir trazendo as pessoas aos poucos, se adaptando a esse novo momento e, a partir daí, trazendo novos grupos para compor todos os nossos espaços", frisou a pró-reitora.

A reportagem da TV Vitória/Record TV também entrou em contato com o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), que informou que, nos próximos dias, haverá uma reunião para definir se as aulas presenciais continuam suspensas ou se serão retomadas. O instituto afirmou ainda que um protocolo está sendo elaborado para o retorno dos estudantes.

Já a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) informou que as atividades continuarão ocorrendo à distância. O chamado Ensino-Aprendizagem Remoto Temporário Emergencial (Earte) será adotado no próximo dia 9 e vai até 15 de dezembro, em um semestre considerado especial.

O que dizem os professores

O presidente do Sindicato dos Professores no Estado do Espírito Santo (Sinpro-ES), Juliano Pavesi, afirmou que o sindicato é contra o retorno às aulas neste momento. "É, no mínimo, uma imprudência. Não há segurança para se colocar professores e alunos em sala de aula. Faltam apenas três meses para o término do ano letivo e todas as instituições de ensino privadas já estão totalmente adaptadas ao novo modelo de ensino e de trabalho remotos. Esse modelo tem como continuar funcionando até o fim deste ano", destaca.

"É perfeitamente possível retornar às aulas presenciais no início do ano que vem, já com a perspectiva de uma vacina e com toda segurança, porque o mais importante é a preservação da vida de nossos professores, alunos, familiares, funcionários administrativos, enfim, de toda a comunidade escolar e sociedade", completou Pavesi.

Com informações da repórter Fernanda Batista, da TV Vitória/Record TV

Últimas