Folha Vitória Fake News: Veja 3 mitos da internet sobre perda de peso

Fake News: Veja 3 mitos da internet sobre perda de peso

Entenda a importância de consultar um profissional de saúde e checar a veracidade das informações sobre alimentos na internet

Folha Vitória
Foto: Divulgação/ Protocolo On-line
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Basta um post em uma rede social para que uma ideia seja apresentada para muitas pessoas ao redor do mundo. Apesar da facilidade da internet, os usuários precisam estar cada vez mais atentos às fake news, principalmente quando colocam em risco a saúde. 

Durante o período de pandemia, foi registrado um aumento no número de pessoas que resolveram praticar exercícios físicos e mudar a alimentação. Mas segundo a médica Bruna Manes esse assunto precisa ser acompanhado por um profissional da saúde e não pelo Google. 

“É preciso tomar cuidado com essas informações sobre alimentação, pois tem alguns que são mitos e além de não ajudar podem prejudicar a saúde”, orienta a doutora.

Além da busca por exercícios físicos, muitas pessoas usaram a internet para buscar dietas e dicas "milagrosas" para emagrecer. 

Veja abaixo alguns mitos sobre o processo de emagrecimento:

Alimentos diet e light: diferente do que se pensa, eles não são sempre saudáveis e há diferença entre os dois 

“O light tem uma redução de, no mínimo, 25% na quantidade de algum componente ou no teor de calorias, enquanto o diet é isento de açúcar", explica a Bruna Manes. 

Além disso, a indicação também é diferente, os light são indicados para emagrecimento e os diet podem ser recomendados para pessoas que têm diabetes.

Alimentos específicos para perda de peso: de acordo com a especialista, não há alimento que quando consumido, resolva todas as necessidades de obtenção de nutrientes como carboidratos, vitaminas, proteínas e minerais. 

“O que existe é uma alimentação balanceada que um profissional irá estabelecer para a pessoa, e com isso ela irá alcançar os seus objetivos”, esclarece a médica.

Comida japonesa não engorda: Como qualquer comida, a japonesa pode engordar se for consumida em excesso, principalmente se considerarmos que há muitas frituras e molhos com alto teor de gordura. 

“O molho shoyu, por exemplo, apresenta um alto índice de sódio, substância que pode ser prejudicial à saúde e responsável pela retenção de líquido”, conclui.

Últimas