Folha Vitória Família afirma que motorista de aplicativo não reagiu, mas acabou sendo agredido na cabeça

Família afirma que motorista de aplicativo não reagiu, mas acabou sendo agredido na cabeça

Familiar só descobriu que o irmão estava em um hospital, após as enfermeiras de plantão o encontrem nas redes sociais

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A família do motorista de aplicativo agredido durante um assalto, na Serra, relatou os momentos de pavor pelo qual a vítima passou. O homem de 50 anos continua internado e de acordo com o irmão não reagiu ao assalto. 

O homem é natural de Curitiba, no Paran´á, e trabalhava como motorista de aplicativo há cincos meses no Espírito Santo. Segundo o irmão, ele não conhece os locais considerados perigosos do estado. O crime aconteceu na noite do último sábado (17), quando o motorista aceitou uma corrida do bairro Feu Rosa, na Serra. Três homens entraram no veículo e quando passavam pelo bairro Maringá, também na Serra, exigiram que ele parasse o carro e anunciaram o assalto.

O irmão contou, ainda, que a vítima foi revistada pelos bandidos. Em seguida, um dos criminosos atingiu a cabeça do motorista com um objeto cortante e o motorista desmaiou. Ainda segundo a família, em nenhum momento, a vítima reagiu. Os familiares afirmaram que o motorista disse que os assaltantes poderiam levar tudo que quisessem, mesmo assim acabou agredido. Mesmo muito machucado, ele caminhou até um posto de gasolina e pediu ajuda a um frentista, que ligou para a polícia. 

O familiar só descobriu que o irmão estava em um hospital, após as enfermeiras de plantão o encontrem nas redes sociais. Desde o último sábado (17), o motorista segue internado. O estado de saúde dele é estável.

*Com informações da repórter Marla Bermudes da TV Vitória / Record TV

Últimas