Folha Vitória Famílias continuam desalojadas após queda de muro em Guarapari

Famílias continuam desalojadas após queda de muro em Guarapari

O muro, que serviria como proteção contra deslizamentos, desabou antes da obra ser concluída

Folha Vitória
Foto: Defesa Civil - Guarapari
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As famílias que tiveram as casas atingidas pela queda de um muro no bairro Bela Vista, em Guarapari, continuam desalojadas. As cinco casas afetadas foram interditadas pela Defesa Civil. 

O incidente aconteceu na manhã de terça-feira (12), quando o muro cedeu e atingiu as residências, deixando 15 pessoas desalojadas. 

De acordo com o carpinteiro José Carlos Jesus dos Santos, o muro, que ainda estava em construção, serviria justamente como proteção para evitar deslizamentos durante os períodos chuvosos. 

"Realmente foi por causa da chuva que a gente está fazendo esse trabalho aqui. Precisando fazer esse trabalho para poder recuperar mais a área, para poder trabalhar, e o barranco veio a ceder. Com a obra e a chuva, a gente passou a ter esse problema. Mas Deus sabe de todas as coisas e estamos aí, esperando alguma ajuda que Deus manda", disse o carpinteiro. 

Uma das cinco casas atingidas foi a do pedreiro Jaelson Alves. Ele contou que, na hora do incidente, estava em casa cozinhando, quando ouviu o muro desabar. Por pouco, o homem não foi atingido.

"Eu vim aqui no fogão, que eu tinha botado o feijão no fogo, peguei um tira-gosto e voltei para o quarto. Assim que entrei no quarto, ouvi um barulhão. Nem veio na mente que tinha sido o muro. Em questão de segundos, talvez até eu podia ter morrido", disse o pedreiro. 

Com o desabamento, a casa de Jaelson ficou comprometida e o imóvel, assim como as outras quatro residências, foram interditadas pela Defesa Civil. De acordo com o pedreiro, ele perdeu alimentos, o fogão e a máquina de lavar roupas. 

Ainda segundo ele, a cozinha, o banheiro e um dos quartos foram atingidos. "A alimentação, que estava aqui na cozinha, não deu para aproveitar. Meu fogão, meu micro-ondas, meus lençóis... E os alimentos, panela de pressão e vasilhas, que não dão mais para usar", lamentou. 

O pedreiro contou que o filho e a nora estão abrigados em casa de parentes, mas ele continua na residência e diz que tem medo do que pode acontecer se continuar chovendo. 

"Eu, até o momento, estou aqui. Meu filho e a minha nora foram para a casa da avó dele. Mas lá também é quase impossível ficar, porque tem muitas pessoas. Mas, para eles aqui, seria pior do que eu sozinho aqui". 

Por nota, a Defesa Civil informou que esteve no local, na terça-feira, e que uma lona foi colocada no barranco, para evitar mais deslizamentos. 

"A Defesa Civil preferiu que nós saíssemos, para preservar a família. Minha mulher está um pouco assustada. Com o barulho que teve, da queda do muro, ela ficou meio assustada. Estamos na casa de parentes, aqui no bairro mesmo, pertinho, e estamos aí", disse José Carlos. 

A Secretaria de Trabalho, Assistência e Cidadania de Guarapari informou que já está prestando atendimento às famílias atingidas, para que elas possam dar entrada no pedido de aluguel social.

Últimas