Folha Vitória Fernando Ronchi: “O líder aprende muito mais com os equívocos do que com os acertos”

Fernando Ronchi: “O líder aprende muito mais com os equívocos do que com os acertos”

A Unimed Vitória soma 41 anos de serviços prestados no setor de saúde, 2.500 médicos cooperados e outros 2.500 colaboradores, além de mais de 336 mil vidas.

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Fernando Ronchi é PhD em Ciências Médicas pela Universidade de São Paulo (USP). Médico do Trabalho, possui cursos de especialização em Perícia Médica, Atenção Primária e Medicina do Tráfego, além de Residência em Clínica Médica. Foi também administrador hospitalar e, atualmente é diretor-presidente da Unimed Vitória. Também atua como professor da Escola de Medicina da Santa Casa de Vitória (Emescam), é membro do Conselho de Administração da Acacci, consultor da Área de Saúde e Meio Ambiente e presidente do Conselho de Administração da UNIO.

A Unimed Vitória soma 41 anos de serviços prestados no setor de saúde, 2.500 médicos cooperados e outros 2.500 colaboradores, além de mais de 336 mil vidas. Líder no Espírito Santo, tem mais de 40% de participação no mercado de saúde suplementar e está presente em 19 municípios do estado. Por ano, são cerca de dois milhões de consultas e 323 mil atendimentos em suas lojas.

Qual é o seu conceito de liderança?

Liderança é a competência de agregar as pessoas para o objetivo comum da organização. É a habilidade de conectar os colaboradores para que, juntos, possam fazer o seu melhor e contribuir para o coletivo. Para mim, o líder deve ser aquele que mais se coloca a serviço nesse papel de congregar as equipes.

Por que você foi considerado líder no seu segmento?

Na minha avaliação, esse reconhecimento é fruto do trabalho em equipe. Tenho o grande privilégio de ter uma Diretoria e um grupo de executivos muito competentes. Não posso deixar de considerar também o papel de todos os cooperados e colaboradores da Unimed Vitória. Trabalhamos com muita sintonia. Assim, o meu trabalho como líder é o de ser o maestro de uma “orquestra” em que todos sabem o que devem fazer e fazem muito bem o seu papel.

Quais são os pilares de uma liderança de sucesso?

Uma liderança de sucesso se constrói com trabalho em equipe, inteligência emocional e gerenciamento de conflitos. A atuação em grupo é primordial para que cada um contribua com seus conhecimentos e habilidades. Em contrapartida, é quase inevitável que surjam conflitos que precisam ser administrados pelo líder. Para conduzir isso de forma equilibrada, é preciso trabalhar com bom-senso, critério e ética.

Quais são os maiores desafios e conquistas de ser líder?

O maior desafio é exatamente liderar em momentos de crise como o que estamos vivendo nesta pandemia. Em períodos desafiadores, o líder é chamado o tempo todo a ser a voz do equilíbrio, a administrar as diferentes reações das pessoas frente aos grandes problemas. Quanto à conquista, eu não tenho dúvidas de que a maior delas é poder aprender todos os dias. Como diretor-presidente da Unimed Vitória, continuo aprendendo cotidianamente com as pessoas, me relaciono com todas as áreas e isso sempre gera constante crescimento pessoal. É, com certeza, a maior conquista que levo.

Como motivar pessoas e alinhar os propósitos dos colaboradores com os da empresa?

Esse é o papel fundamental do líder. Entendo que quando os colaboradores percebem que existe um alinhamento entre os propósitos pessoais e os da organização, a motivação acontece. Quando o colaborador sente que com seu trabalho está realizando algo maior para a sociedade, com certeza se sentirá mais motivado. E o líder tem que fazer isso todos os dias, tem que mostrar para as pessoas esse alinhamento. Isso deve estar não somente no discurso, mas também nas atitudes. No nosso caso, o nosso propósito é algo muito grandioso: cuidar, salvar vidas! Mas, como eu disse, a liderança precisa sempre fazer esse alinhamento.

Em que momento e circunstância o líder não pode errar? Por quê?

Eu não falaria de um momento em que o líder não possa errar. Apesar de sempre trabalhar para acertar, todos estamos suscetíveis ao erro, inclusive as lideranças. O principal é, quando a falha acontecer, corrigir a rota rapidamente e extrair disso um aprendizado. Com certeza, o líder aprende muito mais com os equívocos do que com os acertos, mas é preciso estar atento para tirar o aprendizado.

Este momento desafiador pelo qual estamos passando, por exemplo, pode servir como uma oportunidade para os líderes? Se sim, de que forma?

Com certeza. As crises são os maiores desafios do trabalho de um líder, mas podem ser também grandes oportunidades para, por exemplo, extrair o melhor de cada pessoa da sua equipe, descobrir talentos que talvez não apareceriam numa situação de normalidade, desenvolver a criatividade para encontrar solução para problemas que parecem ser impossíveis. O mais importante é que o líder não faz nada disso sozinho. Ele precisa ser o elo, a conexão entre as pessoas para que, juntos, vençam as dificuldades e cheguem muito mais fortalecidos lá na frente.

Que comportamentos e atitudes caracterizam o líder do futuro?

O líder do futuro já é o líder de agora. As características, os comportamentos e as atitudes do líder do futuro já são importantes para hoje. E, para mim, as principais características são inteligência emocional, agilidade e inovação. Temos que inovar sempre e cada vez mais. O mundo atual não permite mais que sejamos burocráticos, temos que ser ágeis nas tomadas de decisões e nas implementações das mudanças. E, além disso, o líder precisa de muita inteligência emocional para saber lidar com as diferenças, para fazer a gestão das pessoas.

Que futuro você quer para você, sua empresa e seus liderados?

O sonho de todo líder é ver a empresa crescer, prosperar. É ver as pessoas evoluírem, avançarem. O bom líder é aquele que forma novos líderes, forma sucessores melhores do que ele mesmo. Esse é o meu desejo. Que o nosso trabalho em conjunto eleve a cooperativa cada vez mais a patamares maiores. Que os nossos colaboradores cresçam junto com a organização e que possamos continuar fazendo a diferença na vida das pessoas que assistimos.

Últimas