Folha Vitória Força-tarefa com 2 mil agentes de segurança vai fiscalizar aglomerações durante o Carnaval no ES

Força-tarefa com 2 mil agentes de segurança vai fiscalizar aglomerações durante o Carnaval no ES

Blocos, desfiles e festas em locais públicos estão proibidos em todo o estado

Folha Vitória
Foto: Gustavo Fernando
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma força-tarefa, composta por cerca de 2 mil agentes das polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros, do Procon e das Guardas Municipais, vai intensificar a fiscalização durante o período de Carnaval, para evitar aglomerações e festas clandestinas no Espírito Santo. Blocos, desfiles e festas em locais públicos estão proibidos em todos os municípios do estado.

O anúncio das ações da força-tarefa foi feito na tarde desta sexta-feira (11), durante uma coletiva de imprensa. Na ocasião, o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, usou até os versos de uma famosa marchinha para advertir que este Carnaval não será igual aos outros. "Este ano não vai ser igual àquele que passou (...) Mas este ano está combinado: nós vamos brincar separados", diz um trecho da canção Até Quarta-feira.

"Nós estamos fazendo um trocadilho, mas para chamar muito a atenção da sociedade capixaba. Nós, da segurança pública, temos a questão de garantir a segurança de todas as pessoas neste período, como nós sempre fizemos, mas este ano, de fato, tem que ser diferenciado, e efetivamente é. Trabalhar esses quatro dias de Carnaval para que nós não tenhamos aglomeração. Nesse sentido, reforçar que nenhum evento em via pública está autorizado. Se isso acontecer, ele é considerado um evento clandestino e ele será efetivamente cancelado", ressaltou Ramalho.

A força-tarefa montada contará com cerca de 1,6 mil policiais militares, 150 civis e 190 bombeiros. O Procon estadual e as guardas municipais também vão participar. Além disso, todas as superintendências da Polícia Civil vão funcionar normalmente no Carnaval. 

O objetivo é garantir o cumprimento do decreto que restringe atividades na pandemia, como a proibição de funcionamento de boates em cidades em risco alto e moderado, por exemplo. O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Douglas Caus, garantiu que a corporação está preparada para qualquer eventualidade.

"Faremos blitz, reforçaremos o policiamento ostensivo e também as ações de cerco. A Polícia Militar, através do seu Serviço de Inteligência, já fez o levantamento dos locais de possíveis aglomerações e fará, de forma preventiva, uma alocação de recurso de policiais nesses locais, a fim de evitar essas aglomerações", destacou o comandante.

Apesar das recomendações, o governo do Estado sabe que, durante o Carnaval, haverá um aumento no número de turistas, principalmente nas praias do Espírito Santo. A recomendação do secretário estadual de Turismo, Dorval Uliana, é de quem for viajar, que utilize os serviços de empresas que fazem parte do programa Turismo Seguro.

"Nós disseminamos, na Secretaria de Turismo, o selo Turismo Responsável. Nós temos, neste momento, 531 empresas que adotaram esse selo, que significa que tem protocolos a serem seguidos. E nós recomendamos a esse turista que busque essas empresas que adotaram esses protocolos. É uma forma de nós contribuirmos para a contenção da disseminação da epidemia de covid aqui no nosso estado", frisou.

Já o secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, pediu a colaboração de todos para que o Espírito Santo continue no caminho de redução dos índices de internações e mortes por covid-19.

"A doença não está controlada no Brasil, não está controlada no Espírito Santo. Temos novas cepas, novas variações do vírus circulando, e toda a atenção e disciplina social é necessária para poder conquistar, no mês de fevereiro, um mês em que a gente consiga voltar, talvez, a ter até menos de dois dígitos de óbitos por dia pela covid-19", ressaltou.

Com informações do repórter Alex Pandini, da TV Vitória/Record TV

Últimas