Folha Vitória Golpe do bilhete premiado: quadrilha causou prejuízo de quase R$ 1 milhão no ES

Golpe do bilhete premiado: quadrilha causou prejuízo de quase R$ 1 milhão no ES

Dois homens, de 32 e 36 anos, e uma mulher, de 38, foram presos nesta segunda-feira (18)

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória

Suspeitos de aplicar o golpe do bilhete premiado em idosos foram presos em um hotel da Grande Vitória nesta segunda-feira (18). Os estelionatários atraíam mulheres idosas com um bilhete, supostamente sorteado pela loteria, e aplicavam o golpe. Eles fizeram seis vítimas no Espírito Santo. Em seis meses, a organização causou um prejuízo de quase R$ 1 milhão. Segundo a polícia, os suspeitos realizavam um teatro para enganar os alvos.

"A cada golpe há, no mínimo, cinco indivíduos que atuam. O primeiro que nós identificamos é aquele olheiro fixo. Ele fica semanas e semanas observando as vítimas. O elemento 2 é o olheiro do dia do golpe. Ele fica próximo ao local onde a vítima será abordada, observando se não há policiais no entorno, guardas municipais, se aquele idoso não veio com algum familiar. Tudo para não serem pegos em flagrante delito", contou o titular da Delegacia Especializada de Falsificações e Defraudações (Defa), Douglas Vieira.

LEIA TAMBÉM: >> Idosa cai em golpe do bilhete premiado em Camburi e transfere R$ 200 mil para suspeitos

"O terceiro elemento tem o 'bilhete premiado'. Ele finge que está com dificuldades, que está perdido, que não conhece a localidade. Então, ele solicita informação ao seu alvo, no caso o idoso. Surge o quarto elemento que também se aproxima disposto a ajudar", disse.

"Então, o elemento 3, que tem o bilhete, menciona 'eu ganhei na loteria, porém eu não posso retirar o prêmio porque eu sou de alguma religião que não permite, mas eu preciso de R$ 400 mil para uma despesa médica' ou alguma outra desculpa. Então, o criminoso 4 menciona 'eu posso entrar com R$ 200 mil' e mira a vítima e diz 'entra com R$ 200 mil?', a vítima 'eu entro'", explicou.

De acordo com a polícia, o crime só era percebido pela vítima no dia seguinte. Por isso, os suspeitos fugiam logo após enganarem o alvo. "Eles se hospedam no hotel um dia antes. No dia seguinte aplicam o golpe e fogem. Então, no dia seguinte, às 11h da manhã, quando a vítima percebe que levou um golpe e aciona a polícia, eles estão longe, em outros Estados", disse.

LEIA TAMBÉM: >> Chefe do tráfico de drogas de bairro de Vila Velha é preso em apartamento de alto padrão

Os criminosos são do Espírito Santo e do Rio Grande do Sul. Dois homens, de 32 e 36 anos, e uma mulher, de 38, foram presos. Além dos falsos bilhetes, a polícia também apreendeu envelopes, borracha de dinheiro, notas promissórias e uma reportagem.

Foto: Reprodução TV Vitória

Todo o material apreendido fazia parte do esquema. O delegado explicou que a organização criminosa age em todo o país. Por isso, outras pessoas também serão investigadas. Os suspeitos faziam de tudo para enganar a polícia. Uma das estratégias era o uso de documentos falsos. Apesar das prisões, o delegado explica que nem sempre é possível recuperar o dinheiro das vítimas.

"Lógico que nós vamos tentar recuperar esses valores, mas isso não é fácil por uma simples razão: o estelionatário não é igual o cidadão de bem, que faz suas economias e junta dinheiro em banco. Estelionatário tem a política, aquela cultura de que eu sei ganhar dinheiro fácil. Então, ele gasta tudo", disse.

LEIA TAMBÉM: >> VÍDEO | Homem escala prédio e invade apartamento do penúltimo andar no Centro de Vitória

O delegado responsável pelas investigações afirma que é importante seguir algumas orientações para evitar cair nesse tipo de armadilha. "Falou em bilhete premiado acione imediatamente o policial mais próximo, ligue pro 190 ou procure a delegacia de polícia mais próxima, porque trata-se de golpistas", contou.

*Com informações da repórter Suellen Araújo, da TV Vitória/Record TV

Últimas