Folha Vitória Homem com tornozeleira eletrônica é agredido por populares após tentar assaltar taxista em Cariacica

Homem com tornozeleira eletrônica é agredido por populares após tentar assaltar taxista em Cariacica

O criminoso estava cumprindo pena em liberdade após ficar 13 anos preso por cometer o mesmo crime: tentativa de latrocínio

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Após um mês cumprindo pena em liberdade, um homem de 32 anos foi preso depois de tentar assaltar um taxista no bairro Vila Isabel, em Cariacica. Rodrigo Merellis estava em liberdade após ficar 13 anos detido por tentativa de latrocínio, que consiste em roubo seguido de morte. O caso aconteceu na noite de sexta-feira (26) e a mãe do rapaz se desespera ao ver a situação em que o filho se encontra.

De acordo com o taxista, Rodrigo teria pedido uma corrida do bairro Itacibá até Vila Isabel, onde mora com a mãe. Mas quando o carro se aproximava da casa, o criminoso puxou uma faca e anunciou o assalto.

"Ele puxou uma faca de todo o tamanho., botou na minha cintura e falou para eu ficar quieto e não reagir. Como tenho o costume de dirigir com a mão na marcha, eu tirei a mão devagarzinho e tirei o cinto. Nessa hora ele botou a mão no cinto e disse para eu não descer senão ia me dar uma facada", contou a vítima.

O motorista disse ainda que após tentar tirar o cinto, segurou o braço do rapaz e conseguiu dar um soco no punho dele fazendo a faca cair. Neste momento, ele conseguiu sair do carro.

Após o susto, o taxista contou que Rodrigo foi cercado por moradores e agredido, mas que conseguiu fugir pouco tempo depois. Antes de sair do local, ele jogou o próprio celular para o taxista, pois segundo ele, esta seria a forma de pagar a corrida.

Fugiu para casa

O crime aconteceu há poucos metros da casa em que Rodrigo morava com a mãe. Ao ver o filho ferido vindo em sua direção, ela não se assustou, pois já imaginava que algo de ruim fosse acontecer com o rapaz.

"Eu estava sentindo que algo ia acontecer. Cheguei até a chorar. Quando pensa que não, ele chega em casa todo ensanguentado e o pessoal querendo matar ele. Só não mataram porque os irmãos entraram na frente", relatou a mãe, de 57 anos.

Rodrigo chegou a se esconder na casa de uma amiga no mesmo bairro, mas os irmãos dele acionaram a Polícia Militar e indicaram o local. Ele foi levado ao Pronto Atendimento de Alto Lage, onde recebeu atendimento e depois foi levado para a delegacia.

"Para onde ele for, se fosse casa de parente ele não iria ter abrigo. Minha família não dá apoio, nunca deu e nem pode. A gente cuida porque é mãe, mas apoiar safadeza ninguém apoia. Ele não teria lugar para ficar", contou a aposentada.

Estava em liberdade

A tornozeleira indicava que Rodrigo estava cumprindo pena em liberdade. O rapaz estava em casa há menos de um mês após ficar 13 anos preso em regime fechado por tentativa de latrocínio também contra um taxista. De acordo com a mãe, a tornozeleira seria retirada no mês de julho.

"Eu passei 12 anos da minha vida no sofrimento. Para visitar eu dependia do meu irmão. Ele me levava no presídio e me esperava. Desde quando tive um AVC em 2014, não tenho saúde. Agora repetiu tudo de novo", contou ela aos prantos.

A mãe de Rodrigo se emocionou ao lembrar as dificuldades que passou com o filho enquanto ele esteve preso. A aposentada faz um alerta para outros jovens que vivem na mesma situação.

"Que eles pensem nos pais deles, parem para ouvir um conselho, que nunca é perdido. Se eles ouvissem pai e mãe, não tinha tanto jovem morto ou igual ao meu filho. Porque tentar eu tentei, e vou tentar quantas vezes for preciso para tirar ele desse caminho. Só não sei se vou ter tempo de vida".

* Com informações da repórter Fernanda Batista, da TV Vitória/RecordTV

Últimas