Incidência de doenças cardíacas é maior durante a pandemia

Com medo de contrair o novo coronavírus, muitos pacientes deixaram de comparecer às consultas e fazer acompanhamento médico

Foto: divulgação/freepik
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) promove a Campanha Saúde não tem Hora, que visa chamar a atenção sobre o atendimento a emergências de doenças cardiovasculares e tratamento do diabetes em tempos de pandemia. Enquanto a covid-19 ganha a maior partes das atenções, outras doenças estão aumentando a incidência, principalmente as cardiovasculares. 

Com medo de contrair o novo coronavírus, muitos pacientes deixaram de comparecer às consultas e fazer acompanhamento médico, o que causou o aumento dos casos de infarto agudo de miocárdio e também de acidentes vasculares cerebrais (AVC).

O cardiologista José Vitelio, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), alerta para a importância de não se abandonar o tratamento. “Pacientes tabagistas, diabéticos e sedentários têm um risco maior de evoluir com complicações cardiovasculares. Por isso, não podem deixar de fazer acompanhamento regular, incluindo alguns exames”, reforça.

Alguns exames que devem de evitar ser adiados pela sua importância em identificar isquemia miocárdica são o teste ergométrico ou de esforço, ecocardiograma sob estresse farmacológico e a cintilografia miocárdica. O holter de 24 horas ajuda a identificar presença e tipo de arritmias cardíacas ou batimentos cardíacos anormais, que podem levar a sérias complicações caso não sejam identificadas e tratadas. 

“Muitos pacientes têm me procurado para consultas devido a alteração da pressão arterial nessa época de pandemia. Nesses casos, um dos exames que pode ajudar no tratamento medicamentoso é a Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA). Lembrar que uma pressão arterial não controlada pode evoluir para complicações como infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, AVC, retinopatia hipertensiva, que causa lesões na retina e perda de visão, insuficiência renal, entre outros problemas”, explica o especialista.