Folha Vitória Inquérito da Polícia Civil aponta que vizinho matou vendedora em Marechal Floriano

Inquérito da Polícia Civil aponta que vizinho matou vendedora em Marechal Floriano

Segundo o delegado responsável pelo fato, o suspeito foi interrogado e negou ter estado no local do crime e também orientou que os familiares dele confirmassem essa versão falsa do caso

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A equipe da Delegacia de Polícia de Marechal Floriano concluiu o inquérito policial que apurou o homicídio da vendedora Lorrany Walder Falcão, de 33 anos, ocorrido no dia 23 de junho deste ano, no município.

Um homem também de 33 anos, vizinho dela, é apontado como autor do crime. Ele foi preso no último dia 1°, em uma ação realizada pela DP na cidade.

O responsável pelas investigações, delegado Geraldo Peçanha, explicou que o suspeito era morador do prédio onde a vendedora morava. “As câmeras de videomonitoramento do local registraram toda a ação do investigado e da vítima no dia do crime. Na ocasião, o autor que é residente do pavimento inferior do prédio, foi flagrado saindo do andar superior, onde apenas a vítima morava. A perícia concluiu que o acesso ao apartamento dela se deu por meio do apartamento vizinho, que estava em construção e os únicos que tinham as chaves eram a vítima e o autor”, relatou.

Ainda de acordo com o delegado, o suspeito foi interrogado e negou ter estado no local do crime. “Ele também orientou que os familiares dele confirmassem essa versão falsa. Apesar de tentar esconder da Polícia que esteve no local, as câmeras de monitoramento mostraram o contrário", disse o delegado.

A perícia da Polícia Civil constatou que a vítima não foi abusada sexualmente. “Foi colhido material e não há nenhuma comprovação a respeito de um suposto abuso sexual. Ao que tudo indica, nos autos da investigação, o autor teria agido com o intuito de ocultar a invasão do apartamento. Como o detido negou a prática do crime e não quis se manifestar sobre o ocorrido, esses detalhes não ficaram devidamente esclarecidos nos autos, permanecendo a dúvida em relação ao que realmente o teria levado a invadir o local”, disse o delegado.

O homem foi indiciado por homicídio triplamente qualificado e a prisão preventiva foi decretada. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público.

* Com informações da TV Vitória / Record e PCES

Últimas