Folha Vitória Intolerância à lactose: nutricionista explica como diagnosticar e tratar

Intolerância à lactose: nutricionista explica como diagnosticar e tratar

Especialista dá dicas sobre a doença que acomete mais de 35% da população brasileira

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

De acordo com uma pesquisa conduzida pelo Instituto Datafolha, em 2017, 35% da população com idade acima de 16 anos (53 milhões de pessoas) possui dificuldades na digestão da lactose. O levantamento mostra que 1,5 milhão de pessoas no país sofrem com intolerância ao nutriente. Com um número alto sobre o distúrbio digestivo, faz-se necessário entender um pouco mais sobre a intolerância, diagnosticar e tratar da melhor forma.

A intolerância à lactose é normalmente conhecida como um carboidrato presente nos leites e derivados e apresenta um mecanismo de intolerância semelhante ao glúten. Em indivíduos saudáveis, após a chegada da lactose no intestino, ela sofre a ação da enzima lactase, quebrando essa molécula em duas: glicose e galactose, para assim, ser absorvida e desempenhar seu papel no organismo.

Em indivíduos que possuem a intolerância à lactose, ocorre uma baixa produção da enzima lactase, ou até mesmo a sua ausência. Em casos como esses, a molécula de lactose (lembrando: glicose + galactose), permanece intacta no nosso intestino, causando a drenagem ou absorção de água.

Sintomas

Pessoas com esse distúrbio digestivo costumam ter sintomas como: flatulência, distensão e dor abdominal, contribuindo para episódios de diarreia, náuseas e vômitos.

Como diagnosticar?

"O ideal é realizar alguns exames para diagnóstico, como: testes de intolerância à lactose (com a ingestão de doses de lactose, observando as reações que causam no indivíduo), teste de hidrogênio da respiração e teste de acidez nas fezes", recomenda a nutricionista Aryane Emerick.

A reação de intolerância à lactose pode ser causada de três formas diferentes, confira abaixo:

• Deficiência congênita: nestes casos, o diagnóstico ocorre muito cedo, acomete geralmente crianças;

• Deficiência primária: diminuição gradativa da produção de lactase ao longo da vida, acomete principalmente adultos;

• Deficiência secundária: geralmente há um histórico de outra situação que levou a essa intolerância.

Como tratar a intolerância à lactose?

Para a nutricionista, o ideal é ficar sempre atento ao rótulo de cada alimento, verificando a presença de lactose e pesquisar o que é mais recomendado ou não durante a alimentação, afinal é necessário avaliar muito bem os alimentos para não se prejudicar ainda mais, já que o intestino é considerado o "segundo cérebro" do corpo humano. 

"Além disso, como dica, vale a adaptação de receitas, na cozinha a criatividade pode ir além para desenvolver novos pratos que se adaptem a cada realidade", finaliza Aryane.

Últimas