Low Fodmap: Já ouviu falar dessa dieta? Entenda

Para quem sofre de problemas como flatulência e aqueles incômodos na região abdominal, a estratégia nutricional low fodmap pode ser uma grande ajuda, revela nutricionista Dani Borges.

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Se existe algo que incomoda muito qualquer pessoa são as dores na região abdominal. Para piorar, algumas dessas crises podem carregar junto um agravante, a famosa flatulência. Apesar de incômoda, a situação pode ser contornada com mudanças em alguns hábitos. 

Uma das soluções mais eficazes para esta situação é a dieta low fodmap, revela a nutricionista Dani Borges. “Ela baseada numa estratégia nutricional voltada para a reprogramação intestinal. Além disso, ela melhora o funcionamento da microbiota entérica”.

A especialista explica que os alimentos que possuem altos teores de açúcar monossacarídeos/dissacarídeos, polióis e oligossacarídeos podem não ser absorvidos de maneira adequada pelo intestino delgado, e aí que está o problema.

“Ao invés de serem absorvidos pelo organismo, eles passam a fazer fermentação ali mesmo, pois quando as bactérias que já estão presentes no nosso corpo acessam a esses elementos, o usam para produzir energia. O resultado disso é a produção de gases, que levam a esse desconforto como conhecemos”, explicou a nutricionista.

Quais os alimentos que precisam ser controlados na dieta?

Para reverter este quadro, a recomendação é reduzir ou retirar por pelo menos 60 dias os alimentos ricos em Fodmap. Alguns dos que fazem parte do dia a dia são a batata doce, brócolis, feijão, abacate, ervilha, grão de bico, maçã, melancia e pepino, por exemplo. 

Além destas comidas, a nutricionista também orienta a retirada de adoçantes e bebidas alcoólicas. “É importante lembrar que até algumas alergias respiratórias podem estar atreladas à sensibilidade da flora intestinal, então a melhora virá para outras partes do corpo também”, detalha. 

Somando-se a isso, ela observa que “os chás são excelentes meios para ajudar a lidar com isso. No caso, os recomendados são de gengibre, verde e melissa. Também o uso de probióticos é uma boa pedida nestes casos”, ressalta.

Alimentos permitidos

A dieta FODMAP consiste na remoção de alimentos que contêm frutose, lactose, fructo e galacto-oligossacarídeos e álcoois de açúcar, como cenoura, beterraba, maçã, manga e mel, por exemplo, da dieta diária. Os alimentos que podem ser incluídos nesta dieta são:

- Cereais sem glúten, como arroz e aveia;

- Frutas como tangerina, laranja, morango, uvas, framboesas, limão, banana madura e melão;

- Legumes e verduras, como abóbora, azeitonas, pimentão vermelho, tomate, batata, brotos de alfafa, cenoura, pepino e batata doce;

- Laticínios sem lactose;

- Carnes, peixes, ovos;

- Sementes de chia, linhaça, gergelim, abóbora e girassol;

- Nozes como amendoim, nozes, castanha do Brasil;

- Arroz, tapioca, fubá ou amêndoas;

- Bebidas vegetais.

Orientação é fundamental

A nutricionista destacou que quando o assunto é a dieta low fodmap, todo cuidado é pouco. Por isso, de acordo com Dani, é importante ter o suporte de um profissional que possa dar toda a orientação adequada.

“Se você se identifica com sintomas como distensão abdominal, flatulência, má digestão, estomago estufado, por exemplo, procure um nutricionista para te ajudar a entender se você está com a sensibilidade à esses alimentos. Mas nada de iniciar a dieta sozinho, pois o protocolo low fodmap é uma estratégia de exclusão e, por isso, é mais restrita e não deve ser feita sem supervisão de uma pessoa adequada”, completa.


Últimas