Folha Vitória Mais de 10 mil acordos de suspensão de contrato ou redução de jornada foram firmados no ES

Mais de 10 mil acordos de suspensão de contrato ou redução de jornada foram firmados no ES

Número é referente ao período entre o dia 28 de abril, quando foi reaberto o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), até as 15h30 desta quinta-feira (06)

Folha Vitória
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Mais de 10 mil acordos de suspensão de contratos de trabalho ou redução de jornada e salários foram firmados em uma semana, no Espírito Santo, desde quando foi reaberto o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), no último dia 28. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (06) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, são referentes ao período até as 15h30 desta quinta.

Segundo o ministério, foram celebrados 10.777 acordos dessa natureza no Espírito Santo, o que representa 2,12% do total registrado em todo o país, de 506.834 novos acordos. 

No Brasil, esses acordos englobam 499.379 trabalhadores e 154.183 empregadores. O número de funcionários e de empresas que aderiram ao programa não foi detalhado por estado.

Relançado na semana passada, o BEm mantém as mesmas regras do programa que vigorou em 2020 e possibilita novos acordos por um período de até quatro meses. Os trabalhadores têm a garantia provisória do emprego pelo mesmo período após o fim do acerto.

De acordo com o Ministério da Economia, já foram firmados 237.587 acordos para a suspensão dos contratos, representando 46,88% do total. Já os acordos para a redução de 70% da jornada e dos salários somam 149.585 (29,51%), para redução em 50% somam 87.446 (17,25%), e para redução em 25% somam 32.216 (6,36%).

Os dados mostram ainda que o setor de serviços é que o mais aderiu à reabertura do BEm até o momento, com 271.151 acordos (52,56%). Na sequência aparecem o comércio com 133.316 acordos (25,84%) e a indústria com 76.258 (14,78%).

As projeções da equipe econômica apontam potencial de 4,798 milhões de acordos pelo novo BEm. O governo banca parte da remuneração dos trabalhadores durante o período e, por isso, o crédito extraordinário aberto para bancar a medida é de R$ 9,98 bilhões.

De acordo com o ministério, 2,916 milhões de trabalhadores seguiam com garantia do emprego em abril graças às adesões ao programa em 2020. Para cada mês de suspensão ou redução de jornada no ano passado, o trabalhador tem o mesmo período de proteção à sua vaga.

Em maio, 2,536 milhões de trabalhadores ainda contam com essa proteção. Foram firmados 20,155 milhões de acordos no ano passado, envolvendo 9,855 milhões de trabalhadores.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas