Folha Vitória Mais de 300 mil pessoas precisam retornar para 2ª dose no ES

Mais de 300 mil pessoas precisam retornar para 2ª dose no ES

De acordo com o secretário estadual de saúde, medo de reações adversas com imunizantes como o da AstraZeneca podem estar afastando os capixabas da vacinação

Folha Vitória
Foto: Agência Brasil/ Tânia Rêgo
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Mais de 300 mil capixabas ainda precisam completar o esquema vacinal contra covid-19. A informação foi passada pelo secretário estadual de saúde, Nésio Fernandes, durante uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (11)

"312 mil pessoas não retornaram para tomar a segunda dose no Espírito Santo. É o menor número que registramos. Isso é importante, uma conquista a ser celebrada", disse. 

Nésio completou explicando a importância da segunda dose. "A cada segunda dose aplicada, incrementa e reduz as chances das pessoas se infectarem", concluiu. 

Veja mais: Uso de máscara será obrigatório até o fim do ano no ES, diz secretário

Mais de 80% dos que não voltaram para segunda dose têm menos de 59 anos

De acordo com o secretário de saúde, a maioria dos capixabas que não retornou para completar o esquema vacinal são adultos com menos de 59 anos. 

"Entre os que não voltaram, 88% deles são não-idosos. São pessoas com 59 ou menos de idade, e que representam neste momento o maior desafio de mobilização para segunda dose. A D2 garante efeito protetor do indivíduo e da coletividade. 72% dessas pessoas tem menos de 49 anos", disse.

Ainda durante a coletiva, Nésio reforçou o pedido para que as pessoas se mobilizem e trabalhem o convencimento sobre a importância da vacinação com familiares, amigos e vizinhos.

"Queremos pedir para que mobilizem seus familiares, vizinhos, todas as pessoas conhecidas para que, aquelas que ainda não se vacinaram, a gente consiga convencer. Precisamos vacinar todos os capixabas. Convidamos a todos que se vacinem, e que nos ajudem a convencer os negacionistas, que se recusam a vacinar", disse.

Medo de efeitos adversos da vacina pode ser causa para atraso na 2ªdose

Ainda na entrevista coletiva, o secretário estadual de saúde, Nésio Fernandes, explicou que não há motivos para temer reações adversas de imunizantes na segunda dose. 

"Não existem razões para não retornar para a segunda dose. Algumas vacinas mais reatogênicas, como é o caso da vacina da Astrazeneca, provocam efeitos adversos leves com maior frequência em relação à outras vacinas. Ela de fato se constitui a principal vacina entre aqueles que não retornaram para a segunda dose", disse Nésio.

Apesar do medo dos capixabas de retornar e receber mais uma dose do imunizante da AstraZeneca, o secretário reforçou a eficiência da vacina e as baixas chances de que os efeitos adversos se repitam.

"É uma das melhores vacinas que temos hoje no mundo contra a covid-19. Aqueles que tiveram algum evento adverso, leve ou moderado na primeira dose, a chance de repetir o mesmo quadro na segunda dose é muito menor", disse. 

E concluiu: "As vacinas são seguras, são eficazes e precisam da segunda dose para poder completar o esquema e garantir o estímulo adequado ao sistema imune da população. Apenas uma dose não é suficiente".

Leia mais: No ES, baixa procura por segunda dose de vacina é motivada por medo de reações adversas

"Temos perspectiva de que maioria da população esteja vacinada em novembro", diz sercetário

Apesar de anunciar que o Espírito Santo apresentou uma redução no ritmo da vacinação, Nésio Fernandes afirmou que há previsão de vacinarmos toda a população capixaba até o mês de novembro. 

"Temos a perspectiva de que ampla maioria da população seja vacinada ainda este ano, inclusive no mês de novembro. Caminhamos para vencer a pandemia".

De acordo com o subsecretário de saúde, Luiz Carlos Reblin, mais de 90% da população adulta do Estado já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra covid-19. 

"Hoje temos cobertura no Estado de quase 92% da população adulta que recebeu a primeira dose ou a dose única. 63% receberam a dose dois ou a dose única. Os adolescentes quase 65% já tomaram a primeira dose. E a dose de reforço já foi aplicada em pessoas acima de 60 anos em quase 65% da população", afirmou.

Reblin destacou a importância da vacina e reforçou o impacto positivo que elas tiveram nos números de internações e óbitos registrados no Estado. Disse ainda que, graças às vacinas, não vivemos uma nova onda da doença com a chegada da variante Delta em solo capixaba.

"Detectamos no Espírito Santo a variante Delta - que é a mais contagiosa que surgiu até este momento - no mês de junho. Graças ao número de vacinados que já tínhamos, retomamos as internações, mas isso não interferiu de maneira tão significativa como nas variantes anteriores", disse. 

Veja também: Expectativa é de terminar o ano com Mapa de Risco todo "azul" no ES, diz secretário

Últimas