Folha Vitória Mais um reajuste! Preço do gás de cozinha na Grande Vitória pode chegar a R$ 80 a partir desta quinta

Mais um reajuste! Preço do gás de cozinha na Grande Vitória pode chegar a R$ 80 a partir desta quinta

Petrobras anunciou um aumento de 5% no preço do produto às distribuidoras. Segundo o Sinregás, esse é o nono reajuste feito pela companhia só neste ano

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A Petrobras anunciou, nesta quarta-feira (4), um novo reajuste de 5% no preço de venda do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) — mais conhecido como gás de cozinha — às distribuidoras. Com isso, o aumento será repassado ao consumidor final, que poderá ter de desembolsar até R$ 80 para adquirir um botijão na Grande Vitória a partir desta quinta-feira (5).

O vice-presidente do Sindicato das Revendedoras de Gás do Espírito Santo (Sinregás), Cleber dos Santos Almeida, explicou que os preços dos botijões variam conforme a marca e a forma como o consumidor adquire o produto. 

Segundo ele, caso vá diretamente à revendedora para comprar o gás, o consumidor deverá desembolsar, em média, R$ 68,75 no botijão. No entanto, se ele preferir que o produto seja entregue em sua residência, esse valor deve subir para R$ 75,80, podendo chegar a R$ 80, dependendo do endereço de entrega. "Esse valor varia também conforme a localização onde o produto será entregue, por causa do frete", explicou.

O vice-presidente do Sinregás ressaltou ainda que este já o nono reajuste anunciado pela Petrobras, somente neste ano, e que há uma previsão para que um novo aumento ocorra no mês que vem. "A Petrobras alegou que o reajuste é consequência da alta do dólar. Então se o dólar continuar aumentando, a tendência é que ocorra um novo reajuste em dezembro", ressaltou Almeida.

>> Gás de cozinha ficará mais caro a partir desta terça no ES e preço do botijão pode chegar a R$ 78

Já o secretário-geral do Sinregás, João Gabriel Coitinho Maciel, que possui duas revendedoras no Espírito Santo, frisou que o reajuste anterior anunciado pela Petrobras ao gás de cozinha, também de 5%, ocorreu no final do mês passado. Com isso, o preço do produto para as revendedoras chegou a aumentar R$ 3,50. Nesse último reajuste, o aumento foi de R$ 1,54.

"Foram dois aumentos. Um na semana passada e, agora, um outro reajuste, totalizando 10% em menos de dez dias. Mal começamos a repassar um aumento e o outro já começou", lamentou.

Gás natural

A Petrobras também reajustou, no último domingo (1º), os preços de venda de gás natural para as distribuidoras para os contratos iniciados em janeiro de 2020. O reajuste foi de 26% em US$/MMBtu em relação ao preço do gás de agosto de 2020. Quando medido em R$/m3, o reajuste é de 33%.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa justifica que os ajustes ocorreram de acordo com parâmetros negociados em fórmulas contratuais, em função das variações ocorridas nas cotações do petróleo Brent e da taxa de câmbio Real/Dólar no último trimestre.

"Apesar do aumento neste trimestre, os preços acumulam uma redução de 38% em US$/MMBtu e de 13% em R$/m3, desde dezembro de 2019 (considerando a taxa de câmbio de 30/10/2020)", destaca.

Por meio de nota, a companhia informou que o preço final do gás natural ao consumidor não é determinado apenas pelo custo da molécula de gás e do transporte, mas também pelas margens das distribuidoras e pelos tributos federais e estaduais. Além disso, o processo de aprovação das tarifas é realizado pelas agências reguladoras estaduais, conforme legislação e regulação específicas.

"Os contratos de venda para as distribuidoras são públicos e estão disponíveis para consulta no site da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)", acrescenta.

Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas