Folha Vitória Mamas assimétricas: conheça a cirurgia que pode solucionar este problema

Mamas assimétricas: conheça a cirurgia que pode solucionar este problema

Situação pode surgir na puberdade, mas para que a cirurgia de correção seja feita é preciso que os seios estejam completamente desenvolvidos

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O aspecto assimétrico das mamas é muito comum entre as mulheres e, em alguns casos, pode ser bastante perceptível. Em quadros como este, é recomendada a cirurgia corretiva que promove a melhora da estética da mama e consequentemente a autoestima da mulher.

A aparência disforme pode ser notada ainda na puberdade, mas para a realização do procedimento é preciso esperar que os seios estejam completamente desenvolvidos, algo que acontece a partir dos 17 anos de idade.

O procedimento realizado para a correção da assimetria mamária é chamado de mamoplastia, que corrige a diferença em tamanhos, formatos ou posição das mamas e/ou aréolas. 

“O objetivo dessa cirurgia é deixar as mamas com a menor diferença possível entre as medidas. Para deixar o resultado da cirurgia mais bonito, o implante de silicone vem para dar volume e um formato bonito aos seios”, 'explicou o cirurgião plástico, Adriano Batistuta.

O cirurgião ressaltou que em alguns casos a cirurgia não consegue igualar totalmente as mamas por causa de diferenças na parte óssea e muscular do tórax. Algumas patologias também causam a assimetria mamária como, por exemplo, em mulheres que tiveram câncer de mama. Mesmo assim, os médicos tentam deixar essa diferença imperceptível.

"As causas mais frequentes de assimetria mamária acontecem com mulheres que tem o coração do lado esquerdo; ou porque existe uma diferença de volume entre as mamas ou a tensão da pele é diferente, fazendo com que um lado fique mais firme do que o outro. Mudanças hormonais, mais comuns na adolescência; acidente ou lesão que tenham atingido a região dos seios; cirurgias plásticas mal sucedidas, contraturas capsulares ou outras complicações também estão frequentemente associadas às causas que provocam a diferença de tamanho das mamas", disse o cirurgião.

Além disso, Batistuta aconselha que os benefícios da cirurgia sejam sempre avaliados pela pessoa que irá se submeter à plástica. “É importante ter em mente que toda cirurgia deixa cicatrizes, e que elas precisam ser levadas em consideração. Pergunte ao médico quais serão as cicatrizes que serão necessárias para a realização do procedimento. Peça detalhes, para que fique bem claro o procedimento que será realizado e os cortes que serão necessários. Após essa conversa franca com o seu cirurgião, pondere o que te deixará mais satisfeita”, disse.

A cirurgia que corrige a assimetria pode ser realizada com anestesia peridural ou geral e a paciente tem alta no mesmo dia. Para realizar a cirurgia o médico pode optar pela redução das mamas (mamoplastia) associada ao implante de silicone, e também pode optar pela redução da pele, para eliminar a flacidez e otimizar os resultados com um contorno corporal mais bonito, harmônico e jovial.

O médico fez um alerta sobre o pós-operatório. “O tempo de cuidado durante o pós-operatório vai depender do tipo de cirurgia de correção que foi realizada, se houve somente prótese de silicone, redução das mamas, e se também teve redução de pele. Para qualquer um dos casos recomenda-se não se esforçar fisicamente ou fazer movimentos bruscos. Na hora de dormir, a posição adequada é a de barriga para cima. Evitar roupas apertadas, também, é uma dica importante. Usar o sutiã pós-cirúrgico é o mais indicado”, finalizou o médico.

Últimas