Folha Vitória Meio ao cenário de incertezas, Liga das Escolas de Samba do Grupo Especial realiza eleição na próxima segunda-feira

Meio ao cenário de incertezas, Liga das Escolas de Samba do Grupo Especial realiza eleição na próxima segunda-feira

O prazo para apresentação das chapas se encerra 72 horas antes da eleição, isto é, às 19h59 desta sexta-feira (16)

Folha Vitória
Foto: Gustavo Fernando | Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Mesmo com a indefinição em relação aos desfiles do Carnaval Capixaba em fevereiro do próximo ano, em razão da pandemia do coronavírus, o trabalho das agremiações não para. Como parte do planejamento e desenvolvimento do próximo carnaval, a Liga das Escolas de Samba do Grupo Especial (Liesge) e a Liga Espírito-santense de Escolas de Samba (Lieses) devem se reunir ainda neste mês com a Prefeitura de Vitória, Ministério público e Governo do Estado, para definição das diretrizes referentes a manutenção ou adiamento do evento.

Antes disso, já na próxima segunda-feira (19), acontece outro importante movimento que promete agitar os bastidores do Carnaval Capixaba: a eleição para presidente da Liga das Escolas de Samba do Grupo Especial. 

Segundo o presidente da comissão eleitoral do pleito, Slin Rios Ribeiro, a eleição só deveria ocorrer no início de 2021, mas meio ao cenário de incertezas foi antecipada. Apesar de nenhuma chapa ter sido apresentada oficialmente, o atual presidente, Edvaldo Teixeira da Silveira, que gerenciou os desfiles em 2018 e 2019, vai disputar a reeleição para o cargo por mais quatro anos. 

O prazo para apresentação das chapas se encerra 72 horas antes da eleição, isto é, às 19h59 desta sexta-feira (16).  O pleito acontece a partir das 20 horas, no Mercado São Sebastião, em Vitória, com sete agremiações tendo direito ao voto: Unidos de Jucutuquara, Novo Império, Mocidade Unida da Glória, Boa Vista, Piedade, Andaraí e Pega no Samba.  

O novo presidente da Lieses irá assumir o cargo a partir de abril de 2021. Além de gerenciar um possível adiamento, que pode culminar com um desfile em junho/julho, questões relacionadas a novas possibilidades de recursos, saúde financeira das escolas e projetos de democratização do carnaval estão entre os principais desafios. 

Últimas