Folha Vitória Mortalidade pelo coronavírus foi três vezes maior em pessoas com cardiopatias

Mortalidade pelo coronavírus foi três vezes maior em pessoas com cardiopatias

Problema mata mais do que qualquer outra doença. Estatísticas apontam que elas são responsáveis por 17,7 milhões de óbitos em todo o mundo

Folha Vitória
Foto: Divulgação / Pexel
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A campanha “Setembro do Coração” acontece anualmente e alerta sobre a importância de prevenir as cardiopatias, mas esse ano veio com um apelo ainda mais forte, pois comprovadamente diante da pandemia do novo coronavírus os portadores de doenças crônicas, mais especificamente as pessoas que apresentavam doenças cardiovasculares, foram as que registraram maior índice de mortalidade.

Estatísticas realizadas em todo o mundo apontam que a mortalidade em portadores de problemas cardiovasculares pode ser até três vezes maior do que da população geral. Mesmo se não levarmos em conta esse ano atípico, de pandemia, as cardiopatias matam mais do que qualquer outra doença, estatísticas apontam que elas são responsáveis por 17,7 milhões de óbitos em todo o mundo. Isso equivale a 30% dos óbitos registrados por enfermidades.

De acordo com a cardiologista da Cardioservice, Kátia Regina Fonseca de Vasconcellos dependendo da cardiopatia, seus portadores podem apresentar o sistema imunológico mais vulnerável do que o de um indivíduo saudável, além do seu corpo apresentar um estado inflamatório crônico. “O agravamento de outras enfermidades, como o coronavírus, costumam apresentar evolução mais rapidamente nesses organismos, fazendo o quadro evoluir para grave com mais agilidade do que nas pessoas que estão com a saúde em dia, e isso explica o índice de mortalidade muito maior em pacientes cardiopatas”, disse.

Quando o organismo do portador da cardiopatia está em bom funcionamento, também existe a possibilidade do coronavírus descompensar a doença, que estava controlada, e dessa maneira fazer com que o caso evolua mais rapidamente e gere maiores problemas, inclusive o óbito. 

O melhor remédio para cuidar do coração e adotar bom hábitos para a vida. Alimentar-se de maneira saudável, praticar atividade física, manter o distanciamento social.

“Ficar longe do álcool de do tabagismo, consumir gorduras boas, evitar as ruins, manter um atividade física de rotina, se alimentar de maneira saudável e realizar consultas de rotina garantem um coração saudável, e as pessoas que já possuem alguma doença do coração, esta deve estar com os exames e medicamentos em dia e manter os mesmo cuidados que mencionei para quem quer evitar as cardiopatias”, alertou a médica. 

Últimas