Folha Vitória MPES investiga mais de 160 denúncias de "fura-filas" de vacinas da covid-19 no Estado

MPES investiga mais de 160 denúncias de "fura-filas" de vacinas da covid-19 no Estado

A instituição disse ter elementos e indícios suficientes para permitir o início da apuração e, cada denúncia, será averiguada individualmente

Folha Vitória
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um total de 168 denúncias foram recebidas pelo Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) sobre pessoas que estariam "furando filas" para tomar vacinas contra a Covid-19. A investigação é de responsabilidade do Gabinete de Acompanhamento da Pandemia do Novo Coronavírus (Gap-Covid-19).

O Gap-Covid-19 disse ter elementos e indícios suficientes para permitir o início da apuração e, cada denúncia, será averiguada individualmente. De acordo com o MPES, a campanha de vacinação está sendo fiscalizada diariamente pelos promotores de Justiça nos respectivos municípios, cabendo a eles adotar as providências necessárias e previstas em lei, caso constatem irregularidades. 

O secretário de Estado da Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, foi notificado para que elabore uma Norma Técnica com objetivo de orientar os gestores de saúde, coordenadores de imunização e vacinadores que, atuam nos municípios capixabas, em relação à aplicação da segunda dose da vacina contra a covid-19 nas pessoas que tomaram a primeira dose sem que estivessem incluídas nos grupos prioritários. 

O Colegiado de Secretarias Municipais de Saúde do Espírito Santo (Cosems-ES) recebeu do MPES notificações recomendatórias para que as secretarias adotem todas as providências para garantir a conservação das vacinas. Também foi recomendado aos secretários de Saúde municipais, por meio do Cosems, que o registro nominal/individualizado de todas as doses aplicadas seja realizado diariamente no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI).

Além disso,  Cosems deverá exigir a documentação necessária na aplicação da segunda dose da vacina contra a covid-19. A notificação recomendatória explicita os documentos necessários para a comprovação de estar inserido nos grupos prioritários elencados no Plano Nacional e Resolução CIB 013/2021. 

Além do cartão de vacinação, contendo a informação da primeira dose, é preciso apresentar os seguintes documentos:

- Trabalhadores da saúde com vínculo ativo em serviço de saúde devem apresentar: o crachá e uma declaração do serviço de saúde onde atua ou ainda o contracheque, ou o contrato de trabalho, ou a Carteira de Trabalho, ou a carteira do conselho de classe com a declaração do serviço de saúde onde atua;
- Trabalhadores da saúde com vínculo ativo em serviço de saúde, incluído os cuidadores de idosos, doulas ou parteiras, além de funcionários do sistema funerário e do Serviço Médico Legal que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados devem apresentar: crachá com declaração do serviço de saúde onde atua, ou o contracheque, ou o contrato de trabalho, ou a Carteira de Trabalho, ou a carteira do conselho de classe com a declaração do serviço de saúde onde atua.
- Trabalhadores da saúde com vínculo ativo em serviço de saúde, incluindo os acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio regular hospitalar, atenção básica, clínicas e laboratórios devem apresentar: declaração emitida pela coordenação do curso descrevendo o período e o local onde é o estágio. Estão no grupo prioritário somente aqueles estagiários em regime intensivo, com jornada semanal de 20 horas, que estejam frequentes e com ação direta em serviços de saúde.
- As pessoas de 80 anos ou mais; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos; de 65 a 69 anos; e de 60 a 64 anos deverão apresentar: documento que comprove a idade.

Últimas