Folha Vitória No ES, imunizantes destinados à 2ª dose poderão ser convertidos em 1ª para evitar vencimento

No ES, imunizantes destinados à 2ª dose poderão ser convertidos em 1ª para evitar vencimento

De acordo com o secretário estadual de saúde, a estratégia do Estado ainda é conscientizar e mobilizar as pessoas para que tomem a segunda dose dos imunizantes

Folha Vitória
Foto: André Sobral / PMV
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Pelo menos 60 mil pessoas ainda precisam receber a segunda dose de vacina contra covid-19 no Espírito Santo. Para evitar o vencimento das doses, a Secretaria de Estado da Saúde não descarta a possibilidade de revertê-las em primeiras doses. 

A informação foi passada pelo secretário estadual de saúde, Nésio Fernandes, durante uma entrevista coletiva na tarde desta teça-feira (03)

"Temos ainda um grupo de pessoas importante para tomar a D2, mais de 60 mil pessoas que precisam atualizar seu cartão de vacina. A primeira dose é importante, mas a segunda consolida a imunidade. Quem ainda não providenciou a segunda dose, procure o sistema de Saúde da sua cidade", disse.

Veja também: Turistas podem estar na fila de pessoas que precisam da 2ª dose da vacina no ES, diz secretário

Doses represadas poderão ser convertidas em D1

De acordo com Nésio, caso a principal estratégia do Governo do Estado ainda é estimular e mobilizar os capixabas para tomarem a segunda dose dos imunziantes. Mas, considerando as mais de 60 mil pessoas que ainda não completaram a vacinação, algumas possibilidades começam a ser desenhadas. 

"Nós estamos avaliando a possibilidade de, havendo represamento de segundas doses, inclusive com a possibilidade de que algumas possam acabar chegando ao prazo de vencimento, de garantir a reversão dessas doses para D1. No entanto nossa estratégia nesse momento está focada em mobilizar as pessoas que não completaram seu esquema vacinal que possam procurar um serviço de saúde", disse. 

Nésio reforçou que a segunda dose da vacina não precisa ser tomada apenas no município em que a pessoa tomou a D1, ou na mesma Unidade de Saúde. "A população que tomou a D1 em outro Estado, e que mora no ES pode completar aqui o seu esquema vacinal e pretendemos então alcançar ampla cobertura", finalizou. 

Leia também: No ES, baixa procura por segunda dose de vacina é motivada por medo de reações adversas

Últimas