Folha Vitória Número de brasileiros obesos dispara e especialista alerta para graves problemas de saúde

Número de brasileiros obesos dispara e especialista alerta para graves problemas de saúde

A pesquisa do IBGE detalha que a prevalência da obesidade feminina passou de 14,5% para 30,2% no período, enquanto a masculina aumentou de 9,6% para 22,8%

Folha Vitória
Foto: release
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O número de brasileiros obesos com mais de 20 anos disparou a partir de 2003 até 2019 segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados recentes divulgados pela instituição mostram que, no ano passado, 26,8% dos pesquisados nessa faixa etária estavam obesos, mas há 16 anos, apenas 12,2% estavam nessa condição.

Ramon Andrade de Mello, oncologista e professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), da Uninove e da Escola de Medicina da Universidade do Algarve (Portugal), vê com preocupação a pesquisa do IBGE: “É urgente que o poder público, as autoridades médicas, empresas e instituições se engajem em campanhas para mudar essa ascensão vertiginosa da obesidade na população. Caso contrário, teremos sérios impactos na saúde pública nas próximas décadas”.

O professor da Unifesp destaca que a obesidade pode aumentar o risco para o câncer de mama, de fígado, próstata, esôfago, colorretal, entre outros. “Ou mudamos drasticamente os hábitos alimentares com uma dieta saudável, evitando produtos industrializados com excesso de gorduras e sódio, ou então vamos acompanhar uma evolução rápida de doenças. Além do câncer, o excesso de peso vai provocar problemas cardiovasculares e diabetes, por exemplo”.

A pesquisa do IBGE detalha que a prevalência da obesidade feminina passou de 14,5% para 30,2% no período, enquanto a masculina aumentou de 9,6% para 22,8%. “Mais de 60% da população está acima do peso. O atendimento multidisciplinar de saúde voltado à prevenção, com uma conscientização sobre uma alimentação saudável e o incentivo de exercícios físicos regulares, pode mudar esse panorama”, esclarece o oncologista.

Últimas