'O filho dele não sorri, não fala, só chora', diz sobrinha de homem morto ao manusear extintor

A vítima foi atingida no rosto por uma peça que se soltou do objeto durante a explosão

Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Parentes de Wesley Costa, de 36 anos, que morreu ao ser atingido por uma peça de extintor que explodiu enquanto era recarregado por ele na manhã de ontem (07), estão em estado de choque. 

"Minha tia, esposa dele, só sabe chorar. O filho dele está dentro de um quarto e não demonstra nenhum sinal do que está sentindo. Ele não chora, não fala, não sorrir. Ele está em estado de choque"; lamentou uma sobrinha da vítima. 

Homem que morreu após explosão de extintor de incêndio já havia sofrido o mesmo acidente este ano

A sobrinha e outros parentes de Wesley estiveram na tarde de segunda-feira (07), no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para fazer a liberação do corpo. A jovem conta que a família quer entender por que o mesmo acidente voltou a acontecer, dessa vez tirando a vida da vítima.

"Não sei falar como foi. É o que a gente também está tentando descobrir. Eu não estava presente quando a empresa chegou lá para dar a notícia para a Fabiana, que é minha tia e esposa dele. A empresa chegou na casa da minha tia por volta das 11h, 11h20 da manhã, e parece que o acidente aconteceu às 9h30. Daí então a gente não sabe mais o que aconteceu, se chamaram médico, se foi óbito na hora. Nós não temos essa informação ainda. Eles só chegaram com a informação de que ele já estava aqui [no DML]", contou. 

De acordo com testemunhas, o rapaz fazia a manutenção do equipamento quando o acidente aconteceu, no bairro Jardim Limoeiro, na Serra. O fato aconteceu por volta das 09 horas da manhã de segunda-feira (07). 

O equipamento

De acordo com a polícia, o extintor que Wesley manuseava na hora do acidente era do tipo PQS (extintor de pó químico seco). O produto é feito à base de bicarbonato de sódio e é ideal para combater incêndios em materiais como óleo, gasolina, graxa, tinta, gás de cozinha (GLP) e equipamentos elétricos quando ligados.

A família não soube dizer se Wesley tinha qualificação profissional para manusear o equipamento. "Eu não tenho informação nenhuma que ele tenha tido feito algum curso para manusear esse tipo de equipamento. Mas toda empresa, quando contrata um funcionário, dá um treinamento. Então eu creio que isso a empresa deve ter dado", contou a sobrinha da vítima.

Posicionamento da empresa

A produção da TV Vitória/Record TV tentou entrar em contato, durante toda a tarde de segunda-feira, com a empresa onde o acidente aconteceu. Entretanto, não houve resposta da empresa até o momento.

* Com informações da repórter Marla Bermudes, da TV Vitória/Record TV.