Operação que resultou na prisão de secretário de saúde do DF teve reflexos no Espírito Santo

Um mandado de busca e apreensão foi cumprido em Cachoeiro de Itapemirim; a ação investiga superfaturamento na compra de insumos durante a pandemia

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A operação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), que resultou na prisão do secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, na última terça-feira (26), também teve reflexos no Espírito Santo.  A ação investiga o superfaturamento dos produtos adquiridos durante a pandemia.

De acordo com o Ministério Público capixaba, foi efetivado um mandado de busca e apreensão em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado.

O MPES não divulgou quem foi o alvo da operação no Espírito Santo. Em todo o País, foram cumpridos 44 mandados de busca e apreensão nas cidades de Brasília (DF), Goiânia (GO), Aparecida de Goiânia (GO), São Paulo (SP), Barueri (SP), Santana de Parnaíba (SP), Santos (SP), Florianópolis (SC), Palhoça (SC), Porto Alegre (RS), Cuiabá (MT), Nova Mutum (MT), Salvador (BA), Feira de Santana (BA), Rio de Janeiro (RJ), além de Cachoeiro.

As investigações apontam que um teste para coronavírus, que custava em média, R$ 18 foi comprado pelo Governo do Distrito Federal por R$ 125, gerando um prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos,  valor que permitiria a compra de mais de 900 mil testes rápidos.

As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e são resultado de investigação exclusiva do MPDFT, que apura suspeitas de crimes cometidos por servidores do alto escalão da Secretaria de Saúde do DF, dentre os quais, organização criminosa, fraude à licitação, lavagem de dinheiro, contra ordem econômica (cartel), corrupção ativa e passiva, todos estes crimes praticadas no curso de dispensas de licitação destinadas à compra de testes para detecção da Covid-19.

* Com informações da TV Vitória / Record TV e Ministério Público do ES