Pandemia faz aumentar casos de bruxismo

Além do aumento da procura nos consultórios, a busca pelo termo "bruxismo" na internet apresentou um aumento de 89% somente no mês de agosto

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Estresse, má alimentação, noites mal dormidas. Esses são os gatilhos para o temido bruxismo, que, em tempos de pandemia, teve um aumento significativo de demandas para esses casos. 

A ortodontista Catarina Riva revela que o ato de ranger ou pressionar os dentes, especialmente no período de sono, é o que caracteriza essa disfunção e que, normalmente, esse problema também pode surgir em momentos de oclusão ou fechamento inadequado da boca.

Além das buscas nos consultórios, internautas impulsionaram pesquisas sobre o bruxismo nos sites de busca. A procura pelo termo bateu recorde de registro neste período no maior site de pesquisa do mundo, principalmente em agosto, em que a procura subiu 89% em comparação ao mesmo mês em 2019.

“Mesmo com as informações fornecidas pela internet e a utilização de placas noturnas, por exemplo, é totalmente indicado que a pessoa procure um especialista quando sentir algum sintoma. Em algumas vezes, é necessário uma análise completa do caso, para identificarmos a origem do problema”, acrescentou.

A especialista afirma que é difícil perceber essa disfunção, mas se ao acordar a pessoa sentir dor de cabeça, dor na musculatura da face e notar que os dentes estão com as pontas retas, são sinais claros do problema.

“Entre os tratamentos mais usados é possível destacar a utilização de placa estabilizadora, para reduzir o atrito entre os dentes; aplicação de toxina botulínica, utilizada para aliviar a dor ao relaxar os músculos; tratamento farmacológico, que amenizará a dor ou doenças psiquiátricas associadas ao bruxismo; assim como terapias psicológicas podem ajudar nesse processo”, pontua.

Catarina Riva enfatiza que o acompanhamento com o especialista vai garantir que a disfunção não acarrete futuros problemas mais graves, como o amolecimento, desgastes ou o surgimento de dores nos dentes, de cabeça e distúrbios na articulação temporomandibular e gengiva.

Últimas