Folha Vitória Pandemia impulsiona 16 mil novos microempreendedores individuais no Espírito Santo

Pandemia impulsiona 16 mil novos microempreendedores individuais no Espírito Santo

Dados do Portal do Empreendedor mostram aumento no número de formalização de pequenos negócios individuais desde 31 de março, movimento entendido como resultado da crise econômica gerada pela pandemia

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Empresas em crise fechando suas portas, aumento do desemprego e queda na renda do trabalhador são alguns dos efeitos da pandemia do novo coronavírus. Diante de um cenário tão crítico, a solução encontrada por milhares de capixabas para sustentar suas famílias tem sido abrir um pequeno negócio. Segundo o Portal do Empreendedor, vinculado ao Ministério da Economia, o Espírito Santo ganhou 16.037 novos microempreendedores individuais (MEIs) de 31 de março a 1° de agosto de 2020.

Ao todo, o Estado tem 269.672 pequenos negócios individuais regularizados junto ao Ministério da Economia, e as cidades que lideram o ranking são, respectivamente, Vila Velha (41.690 MEIs), Serra (40.597), Cariacica (26.338) e Vitória (25.564) na Região Metropolitana. Já no interior do Espírito Santo, Cachoeiro de Itapemirim é o município com maior número desse tipo de negócio: 11.415. A maior parte desses novos negócios são do setor de alimentação e vestuário.

Para o economista Mário Vasconcelos, o aumento na formalização de negócios é um sinal positivo em meio a tantas dificuldades surgidas com a ameaça do novo coronavírus. “Sem dúvida é um dado positivo. É o empreendedor que surge em função das dificuldades, perdeu o emprego, precisa sustentar a família e tem uma habilidade. Ele monta um negócio, se formaliza e passa a ter uma ocupação, gerando renda pra si e para sua família e ainda contribui com o governo, porque está pagando impostos”, afirma o especialista em economia doméstica.

Segundo o economista, entre os benefícios de atuar na formalidade, o microempreendedor individual pode, além de manter o pagamento ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), contribuindo para sua aposentadoria, aparecer no cenário formal da economia e ser visto por possíveis parceiros de negócios, podendo também ter acesso a linhas de crédito específicas. Outra vantagem do MEI é o auxílio doença, que garante o recebimento de um salário mínimo durante o período em que o cidadão precisar se afastar de suas funções por acidente de trabalho ou problemas de saúde.

A retomada da economia não se dará de imediato, há cerca de 12,8 milhões de desempregados, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), e, acima de tudo, é preciso ter uma assessoria e não se aventurar, como ressalta Mário.

“O importante é buscar sempre uma assessoria. Sem ter um plano de negócios, a pessoa pode perder dinheiro, ainda mais se não tiver experiência de mercado e não dominar a área em que vai atuar. Se vou montar uma sorveteria, nunca trabalhei nisso e nem gosto de sorvete, sem uma assessoria eu vou quebrar, seguramente. É preciso calcular taxa de retorno, tamanho do investimento, custos da atividade, elaborar fluxo de caixa, analisar a concorrência, buscar o melhor fornecedor, entender o público, enfim, uma série de questões técnicas que não podem jamais ser subestimadas”, conclui.

Campanha para fortalecer comércio local

Ao perceber essa movimentação na economia capixaba, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/ES) iniciou deu início à campanha “Compre do Pequeno”, focada na valorização do comércio local, próximo de casa, na busca de fortalecer esses micro e pequenos empreendedores do Espírito Santo.

De acordo com o superintendente do Sebrae/ES, Pedro Rigo, o projeto se trata de estimular uma parceria entre consumidor e o pequeno comerciante local.

“A campanha é buscar estimular o consumidor capixaba a consumir a produtos do Espírito Santo, ajudar a potencializar o comércio local, o seu bairro, o seu vizinho. Caso você identifique que o comerciante próximo não está empregando os protocolos de segurança sanitária no seu estabelecimento, peça a ele que procure o Sebrae/ES. Nós estaremos prontos para ajudar e orientar esse empreendedor. Com isso, ele poderá aumentar seu faturamento e colaborar com o restabelecimento do mercado”, diz Pedro.

Para auxiliar consumidores e comerciantes, a página do do órgão tem disponível (https://sebrae-porondecomecar.com.br/) um mapa colaborativo com os estabelecimentos dispostos prontos para vender seus produtos. Quem procura montar o próprio negócio também encontra o suporte necessário para reduzir riscos e iniciar a vida de microempreendedor.

Últimas