Folha Vitória Paralisação de motoristas afeta linhas do Transcol nesta terça-feira

Paralisação de motoristas afeta linhas do Transcol nesta terça-feira

Eles alegam atraso no pagamento do salário e, por conta disso, a operação de algumas linhas está prejudicada

Foto: Iures Wagmaker / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Os motoristas da viação Metropolitana, uma das operadoras do sistema Transcol, fazem uma paralisação na manhã desta terça-feira (30). Eles alegam atraso no pagamento do salário e, por conta disso, a operação de algumas linhas está prejudicada.

De acordo com diretores do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários), os salários não são pagos desde junho. Além disso, eles afirmam que terão uma reunião com o sindicato das empresas para resolver a situação.

Segundo a Ceturb-ES, as linhas 151 (Santa Marta x Rodoviária), 633 (T. Ibes x T. São Torquato) e 773 (T. São Torquato x Morro do Sesi) estão com a operação paralisada por conta do movimento dos motoristas.

> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas no celular? Clique aqui e participe do nosso grupo de notícias!

Já a linha 074 (São Cristóvão x Bairro da Penha) está operando de forma alternativa, passando a cada 30 minutos, de forma circular no bairro, indo até o quartel de Maruípe e fazendo integração com as linhas que passam pela Avenida Maruípe.

A Ceturb-ES afirmou que já notificou os consórcios operadores e tomará as medidas administrativas cabíveis por conta do desatendimento aos usuários das linhas e para que a operação volte a ser realizada o mais rápido possível.

A empresa Metropolitana informou que o Sindirodoviários está desde o início desta segunda-feira (29) nas portas da empresa impedindo a circulação dos ônibus. A operadora esclarece que em nenhum momento deixou de dialogar com os seus funcionários, e que a paralisação é totalmente irregular, realizada sem aviso prévio e sem a anuência dos empregados.

"A Metropolitana já está tomando as providências jurídicas necessárias para sanar o movimento irregular realizado pelo Sindicato e permitir a liberação imediata da circulação dos ônibus", afirma a empresa.

O GVBus, sindicato que representa as empresas, informou que a situação na Metropolitana é pontual e que os consórcios responsáveis pelo Sistema Transcol estão alocando veículos de outras empresas para o cumprimento das viagens, direcionando todos os esforços para garantir a circulação dos coletivos e reduzir os transtornos à população.

O sindicato das empresas ainda destacou que a Metropolitana responde por apenas 2,7% da operação do Sistema Transcol.

Leia também: Motociclista fica ferido após bater em carro e ser arremessado contra árvore em Vitória

Últimas