Folha Vitória Passageiros relatam demora, lotações e até brigas em ônibus do Transcol durante a pandemia

Passageiros relatam demora, lotações e até brigas em ônibus do Transcol durante a pandemia

A Ceturb alega que, mesmo com a volta de alguns setores, a demanda de passageiros ainda está em 50% e que a frota recebeu um reforço de mais 100 ônibus nesta semana

Folha Vitória
Foto: Leitor | Whatsapp Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Mesmo com o reforço de mais 100 ônibus no sistema Transcol, anunciado pelo governo do Estado na última segunda-feira (03), os coletivos que circulam na Grande Vitória continuam cheios. A informação vem dos passageiros, que, além das lotações, relatam também demora para a passagem dos ônibus nos bairros.

De acordo com Jefersson Alexandre Matos, coletivos lotados são comuns, principalmente nos horários de picos. "A linha 624, que faz o trajeto entre o Terminal do Ibes e o Terminal de São Torquato, via Rio Marinho e Cobilândia, sempre fica lotada". 

Segundo ele, faltam opções de ônibus para a região onde mora, e além dos coletivos passarem a cada 1 hora, estão sempre cheios. "Todo dia é a mesma coisa. Eu moro em Cobilândia e só passa esse ônibus lá. Como todos precisam chegar em seus trabalhos, as pessoas não tem opção de esperar chegar outro carro mais vazio", conta o radialista.

O passageiro conta ainda que já presenciou até discussões por conta da lotação dos coletivos. "Nesta semana mesmo eu vi confusão, porque não cabia mais gente dentro do ônibus. As autoridades precisam voltar com a frota normal, pois está cada dia pior", relata.

Segundo a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb-ES), o número de pessoas nos terminais é fiscalizada para evitar aglomerações e ônibus com passageiros em pé. 

"Há fiscais da Ceturb e das empresas operadoras orientando os passageiros. Nos ônibus há avisos sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras e nos terminais há, inclusive, avisos sonoros sobre o uso de máscaras e distanciamento seguro. Porém, entre um terminal e outro, ou entre os bairros e os terminais, essa fiscalização é mais difícil", disse o órgão por nota.

A recomendação da Ceturb é a de que os usuários usem o aplicativo "Ônibus GV" para saber a que horas o seu ônibus estará no ponto e se programar, caso tenha que sair de casa. No aplicativo também é possível denunciar o não uso de máscaras e a lotação de passageiros. 

Reforços em linhas

Foto: Suellen Araujo/TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Ainda de acordo com a Ceturb, na última segunda-feira (03) foram colocados mais 100 veículos para atender linhas com maior demanda de passageiros. "Linhas como a 591, 506, 507, 508 e 700, nos horários de pico, têm partidas que variam de cinco a 8 minutos minutos, por exemplo", segundo a Ceturb.

No caso da linha 624, relatada pelo Jeferson, o órgão disse que programação é feita em função da demanda. "Esse monitoramento é feito constantemente para que os ajustes necessários sejam feitos sempre que há aumento significativo da demanda", diz a Ceturb em nota.

Atualmente, de acordo com a Companhia, o sistema está realizando 90% da programação normal. A Ceturb alega que mesmo com a volta de vários setores e atividades, a demanda ainda é de 50% dos passageiros e que ainda não há previsão para o retorno dos veículos com ar-condicionado.

"É preciso que a população também contribua e faça a sua parte, usando máscaras, mantendo uma distância segura nas filas e dentro dos veículos e, principalmente, ficando em casa, se for possível", finaliza a nota.

Últimas