Folha Vitória Pesquisa comparativa revela comportamento do empresário capixaba desde o início da pandemia

Pesquisa comparativa revela comportamento do empresário capixaba desde o início da pandemia

Empresário capixaba enfrentou diversos desafios para conseguir a reabertura de 81% dos pequenos negócios

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Desde o início da pandemia o comportamento dos empreendedores de pequenos negócios mudou. Eles foram os principais impactados economicamente por conta das medidas preventivas ao coronavírus e muitos precisaram se adaptar para manter o negócio funcionando. Atualmente, de acordo com o último levantamento de Impactos da Covid-19, realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Fundação Getúlio Vargas (FGV), 81% dos pequenos negócios já estão abertos, mas essa realidade foi bem diferente nos primeiros meses de distanciamento social, quando 65,3% das empresas interromperam os atendimentos.

Nesse cenário, as ferramentas virtuais, como redes sociais se tornaram grandes aliadas dos empreendimentos. Se antes da pandemia apenas 42% já vendiam pela internet, em agosto 72% já haviam adotado os aplicativos como meio de venda.

“O meio digital foi fundamental para o início de uma recuperação dos pequenos negócios, uma alternativa que passou a ser muito mais explorada durante a pandemia. O levantamento aponta que os empresários capixabas têm grande poder de adaptação e que, apesar das dificuldades, conseguiram encontrar maneiras de driblar a crise econômica provocada pela pandemia que pegou todos os setores de surpresa”, aponta o superintendente do Sebrae/ES, Pedro Rigo.

Com a reabertura e as adaptações, o comparativo das pesquisas de Impacto da Covid-19 nos pequenos negócios aponta que o faturamento das empresas apresentou uma leve recuperação, saindo de uma queda de 90% em abril para 74% em setembro.

Essa realidade impacta também em um outro quadro, o de endividamento. Cerca de 39% das empresas possuíam dívidas em atraso em abril, enquanto na última pesquisa, em setembro, o número havia caído para 25%. Dos empresários que solicitaram crédito, 4,7% conseguiram acesso em abril e em setembro, 28%.

Últimas