Folha Vitória Petroleiros anunciam greve no ES e em mais 5 estados a partir desta sexta

Petroleiros anunciam greve no ES e em mais 5 estados a partir desta sexta

Paralisação foi aprovada em assembleia da categoria realizada em São Mateus e tem objetivo de chamar atenção para política de tratamento a trabalhadores

Folha Vitória
Foto: Divulgação / Sindipetro-ES
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Petroleiros do Estado resolveram cruzar os braços nesta sexta-feira (5). A paralisação foi definida em uma reunião do Sindicato dos Petroleiros do Estado (Sindipetro-ES) em São Mateus, Norte do Estado, nesta manhã. A previsão da Federação Única dos Petroleiros (FUP) é de que Amazonas, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia e São Paulo também tenham movimentos grevistas nesta sexta. O objetivo, segundo o Sindipetro-ES, é chamar atenção para a política de tratamento aos trabalhadores adotada pela Petrobras.

O presidente do Sindipetro-ES, Valnisio Hoffmann, explicou que os trabalhadores estão insatisfeitos com algumas posturas da estatal do petróleo. "A Petrobras vem descumprindo acordos coletivos e também não está seguindo os protocolos de combate à pandemia. Temos petroleiros embarcados que relatam sintomas aos médicos, mas não são imediatamente desembarcados e colocam outros trabalhadores da plataforma em risco", explicou Hoffmann

Outro motivo reivindicado pela categoria está relacionado à quebra de um acordo entre a Petrobras e os trabalhadores que entraram em greve em fevereiro de 2020. Segundo Hoffmann, a estatal se comprometeu a criar um banco de horas para que os trabalhadores pudessem compensar os dias em que fizeram greve. Porém, em janeiro deste ano, a empresa descontou as faltas. 

"É um absurdo essa decisão unilateral que descumpriu o acordo e ainda descontou tudo de uma só vez. Há trabalhadores sem salário em meio à pandemia por causa desses descontos indevidos", explicou Hoffman.

Venda de refinaria na Bahia

Também será retomado um movimento na Bahia, em oposição à venda de uma refinaria no estado. A paralisação começou no último dia 18 de fevereiro, mas foi suspensa para retomada de negociações com a estatal - segundo a FUP, porém, as conversas não avançaram.

Conforme comunicado da federação, a greve foi aprovada por assembleias realizadas desde a semana passada pelos sindicatos filiados à FUP. Em São Paulo, a adesão ocorrerá nas unidades de Mauá e Campinas.

"A greve também foi aprovada pelos trabalhadores da Unidade de Xisto do Paraná (SIX), que devem iniciar o movimento nos próximos dias, assim como na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco", disse a FUP acrescentando que, em outras bases de sindicatos, as assembleias ainda estão em andamento.

Entre as pautas da greve, a federação menciona "jornadas exaustivas e multifunções no trabalho presencial e remoto; exposição à contaminação por covid-19", além da venda de ativos pela estatal, classificada como "privatização aos pedaços".

Com informações do R7

Últimas