Folha Vitória PM baleado na cabeça: troca de tiros teria motivado crime na Serra

PM baleado na cabeça: troca de tiros teria motivado crime na Serra

Dois, dos quatro suspeitos de participarem do crime contra o policial, foram presos nesta quinta-feira (10)

Foto: Fernanda Batista / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Dois homens suspeitos de envolvimento no crime que deixou um soldado da Polícia Militar baleado na cabeça, na última quarta-feira (09), foram presos. Segundo a polícia, o crime teria sido motivado por uma vingança após uma troca de tiros entre o policial e os criminosos um mês atrás.

Durante a tarde desta sexta-feira (11), o titular da Delegacia Homicídios e de Proteção à Pessoa da Serra, delegado Rodrigo Sandi Mori, deu detalhes da investigação do caso e falou sobre o interrogatório de um dos suspeitos preso.

"No interrogatório de um dos indivíduos preso, que foi o responsável por vigiar e escoltar a vítima no momento do crime, ele confessou a participação no crime. Ele relatou que a motivação para o crime seria uma troca de tiros ocorrida há um mês entre o policial militar de folga e outros suspeitos, atrás de uma escola no bairro Nova Carapina II", contou o delegado.

LEIA TAMBÉM: PM baleado na cabeça continua intubado e deve passar por avaliação médica nesta sexta

De acordo com o delegado, como forma de vingança, os suspeitos de balear o soltado se reuniram há cerca de 15 dias e, durante essa reunião, ficou decidido que a vítima seria executada.

"Ficou acordado nessa reunião que cada um dos executores receberia R$ 3 mil e o indivíduo responsável por vigiar e escoltar a vítima receberia R$ 1 mil. Minutos antes do crime eles se reuniram novamente. Cada um dos executores estava armado com revólver calibre 38, municiado apenas com uma munição cada um. Após essa reunião, o individuo responsável por vigiar a vítima foi até o supermercado, confirmou que o soldado estava no local, avisou aos executores que se dirigiram ao local, sacaram suas armas e cada um efetuou um disparo no soldado da polícia militar, que foi atingido por dois tiros na região frontal da cabeça", explicou.

Após a tentativa de matar o policial, segundo a polícia, um dos suspeitos presos pegou a arma do soldado e levou do local. 

Polícia chegou aos suspeitos presos após denúncia anônima

Foto: Rodrigo Schereder / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O delegado explicou que, na manhã seguinte ao crime, ao analisar as imagens de câmeras de segurança da região e com ajuda de uma denuncia anônima recebida pelo Disque-Denúncia 181, que indicava a autoria do crime e onde os suspeitos poderiam ser localizados, a polícia montou uma operação e conseguiu prender o rapaz responsável por vigiar a vitima. 

"Ele foi preso no momento que saía da residência. Ele avistou as viaturas da polícia, tentou empreender fuga, mas foi preso pelas equipes da DHPP da Serra", destacou. 

O outro suspeito responsável por efetuar um dos disparos contra o policial militar e roubar a arma dele também foi preso. De acordo com o delegado, o homem estava na frente de um prédio comercial do bairro Laranjeiras, também na Serra, quando foi detido. 

LEIA TAMBÉM: Homem invade Emescam, quebra pratos e janela e é socorrido em Vitória

Segundo a polícia, o rapaz negou a participação no crime, mas foi contraditório em vários momentos do depoimento. Após análise das imagens, denúncias anônimas e a confissão do comparsa, o delegado disse que não há duvidas da participação dos dois suspeitos presos e de outros dois que foram identificados e ainda são procurados pela polícia.

Os dois suspeitos presos foram autuados em flagrante pelo crime de tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe, com a impossibilidade de defesa da vítima e contra agente da Força de Segurança Pública. Na audiência de custódia, a Justiça decidiu converter a prisão em flagrante para prisão preventiva. Os suspeitos foram encaminhados ao presídio.  

Um dos suspeitos havia sido preso há 15 dias

De acordo com a polícia, um dos suspeitos presos tinha uma longa ficha criminal. Ele havia sido preso recentemente por porte ilegal de arma de fogo.

O secretário de Segurança Pública do Estado, coronel Alexandre Ramalho, lamentou que a impunidade tenha possibilitado mais um crime no Espírito Santo. 

"O que nos revolta é que é mais um caso de impunidade. Um individuo que já foi preso, que já tem ficha no mundo do crime, um individuo extremamente perigoso. Um dos que foram presos já havia sido detido, em 2018, por porte ilegal de arma de fogo. Posteriormente, ele foi posto em liberdade. Ainda em 2018 participou de um homicídio, foi preso e há sete meses colocado em liberdade. Ele continuou na atividade criminosa e, no dia 25 de janeiro deste ano, foi preso novamente por porte ilegal de arma de fogo. Ele pagou fiança na audiência de custódia e, agora, 15 dias depois da sua prisão, premedita essa ação contra um policial militar", detalhou.

Relembre o crime

O policial militar foi baleado na tarde da última quarta-feira (09) em frente a um supermercado, na Serra. Testemunhas contaram para a polícia que o militar trabalha como segurança do estabelecimento em dias de folga. Ele teria sido surpreendido por dois criminosos.

Os suspeitos, segundo as testemunhas, teriam chegado e, sem falar nada, já atiraram. O crime foi registrado por câmeras de segurança.

Nas imagens, dois homens aparecem caminhando tranquilamente pela rua. Eles seguem na direção do supermercado. Um deles está vestindo camisa de manga longa, que parece um uniforme de trabalho. Ambos os suspeitos usam boné e máscara contra a covid-19.

Em outro ângulo, é possível ver quando eles passam pelo policial. Pouco tempo depois eles retornam e começam uma confusão. O militar caiu no chão ferido e os criminosos saíram correndo.

O homem baleado foi socorrido e levado para a Unidade de Pronto Atendimento de Carapina, na Serra, e em seguida ele foi transferido pelo helicóptero do Notaer para um hospital em Vitória, onde permanece internado.

*Com informações do repórter Rodrigo Schereder, da TV Vitória/Record TV.

Últimas