Folha Vitória Prisão de militares: vídeo mostra ação de policiais e suspeitos em local de assassinato

Prisão de militares: vídeo mostra ação de policiais e suspeitos em local de assassinato

Eles são investigados por suspeita de integrarem uma organização criminosa do bairro Itararé, em Vitória

Um vídeo registrado por câmeras de videomonitoramento mostra a ação que envolve três policiais militares e outros três suspeitos durante um assassinato no bairro Itararé, em Vitória. O crime seria uma vingança pela morte do sargento da Polícia Militar Marco Romania, em 22 de fevereiro deste ano.

No vídeo, os suspeitos chegam no bairro a bordo de um carro e de uma moto que, segundo o Ministério Público, foi usada para bloquear a passagem de veículos no local.

No carro, estavam quatro pessoas e outros dois estavam na moto. Eles caminham em direção à pracinha do bairro, onde um jovem foi assassinado. Em um determinado momento, no canto esquerdo do vídeo, é possível ver os clarões dos disparos efetuados.

Algumas pessoas chegam a correr no momento dos tiros. Por fim, os policiais e os outros suspeitos voltam ao carro e vão embora.

PMs suspeitos de fazer parte de organização criminosa

Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Ronniery José e Welquerson (acima) são os policiais denunciados pelo MPES. Os outros suspeitos são Glaydson (esquerda) e Walace

Cinco pessoas presas em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na última sexta-feira (13), investigadas por integrarem um suposto grupo de extermínio.

Os suspeitos foram denunciados pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) pelo assassinato de Felipe Antônio Alves Chaves, de 18 anos.

Segundo o Ministério Público, os policiais investigados são Ronniery Vieira Peruggia, José Moreno Valle da Silva e Welquerson Cunha de Moraes. Já os outros dois suspeitos são Walace Luiz dos Santos Souza e Glaydson Alvarenga Soares.

A denúncia do MPES aponta que os investigados teriam assassinado Felipe com 15 tiros, como forma de vingança pela morte do sargento Marco Antônio Romania, que havia sido morto poucos dias antes, em Joana D'Arc, também na Capital.

Segundo a denúncia, a placa do carro usado no dia do crime era fria. O dono do veículo foi procurado pelos investigadores e informou que vendeu o automóvel, em setembro de 2020, para o policial Ronniery.

Com base nas investigações, o Gaeco chegou à conclusão que o piloto da moto bloqueou a rua no dia do crime. Ele estaria acompanhado de Glaydson, apontado pelo Gaeco como o possível carona no momento do homicídio de Felipe.

Ainda segundo o MPES, Glaydson também é responsável pelo perfil nas redes sociais do suposto grupo de extermínio. Após análises das provas, o Gaeco chegou à conclusão de que os cinco homens são os executores do assassinato de Felipe.

Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Outro lado: o que dizem as defesas dos envolvidos

A equipe de reportagem da TV Vitória/Record TV conversou com a defesa de Glaydson. O advogado Wellington Martins não concorda com a prisão do cliente. Ele disse que, no dia da morte de Felipe, o homem estava em casa.

"No horário do homicídio, que foi durante a madrugada do dia 21, ele estava em sua residência, com esposa e filhos. Ele saiu do trabalho por volta de meia-noite, 1h, e foi direto para a residência — pelo menos no que consta no relato dele —, onde permaneceu até o dia seguinte, quando voltou ao trabalho", disse o advogado.

A defesa afirma ainda que existe uma contradição na denúncia do Gaeco. "Na representação, ora o meu cliente está no banco do carona, em um veículo, ora ele está no carona da motocicleta. Está uma coisa tão fantasiosa contra o Glaydson que sequer sabem onde ele estava — ou no veículo ou na motocicleta", alegou.

O advogado também nega a participação do cliente em um suposto grupo de extermínio. "É um grupo de WhatsApp. Não de grupo de extermínio, mas de pessoas que trabalham na segurança pública e privada, outras pessoas que são admiradoras também. Mas ali não quer dizer que seja um grupo de extermínio. Da mesma forma que, com certeza, existem grupos de WhatsApp de promotores, de advogados, de jornalistas, de todas as profissões", afirmou.

A defesa garante a inocência de Glaydson e alega que a prisão é injusta. "Teve uma delação de um dos acusados, onde delatou o nome de alguns supostos participantes. As imagens não mostram nitidamente esses participantes. São suposições baseadas numa delação. E o delator, em momento algum, cita o nome do Glaydson", ressaltou Martins.

Já a defesa de Walace Luiz dos Santos Souza informou que, neste momento, não vai se pronunciar. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos três policiais militares.

De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Glaydson e Walace estão presos na Penitenciária de Segurança Média 1, em Viana.

O que dizem a Polícia Militar e o Ministério Público

Por meio de nota, a Polícia Militar do Espírito Santo informou que prestou apoio em uma operação policial decorrente de investigação conduzida pela 14ª Promotoria de Justiça Criminal de Vitória, com apoio do Gaeco-MPES, no cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão.

No entanto, disse que o fato está sob sigilo judicial decretado e que não há detalhes que possam ser divulgados.

A produção da TV Vitória também pediu uma entrevista ao Ministério Público, sobre a acusação. No entanto, a assessoria de comunicação do órgão respondeu que ninguém pode falar sobre o caso porque o processo está sob sigilo.

*Com informações da repórter Gabriela Valdetaro, da TV Vitória/Record TV.

LEIA TAMBÉM:

>> Polícia prende 'Gaguinho', último suspeito de atirar e matar sargento da PM em Vitória
>> Morte de sargento: quase um mês após o crime, polícia conclui investigações
>> Morte de sargento: polícia investiga se adolescente assumiu culpa para livrar atirador da prisão

Últimas