Folha Vitória Professora baleada quando estava grávida recebe alta do hospital, mas bebê continua internada

Professora baleada quando estava grávida recebe alta do hospital, mas bebê continua internada

Em entrevista, o marido da professora diz não acreditar que o tiro que acertou Priscila tenha saído da arma de um criminoso que estava assaltando um bar

Em entrevista, o marido da professora diz não acreditar que o tiro que acertou Priscila tenha saído da arma de um criminoso que estava assaltando um bar

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A professora Priscila do Nascimento, que foi baleada na Praia de Jacaraípe quando estava grávida de sete meses, recebeu alta do hospital Jayme dos Santos Neves, onde estava internada desde o dia 9 de março. A bebê de Priscila, que nasceu após uma cesariana de emergência, continua internada na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-n) do hospital.

Priscila foi baleada na Praia de Jacaraípe, na Serra, quando comprava um picolé com o avô. Em entrevista a equipe de reportagem da TV Vitória, o marido de Priscila disse que não acredita que a bala que acertou a esposa tenha saído do revólver de um criminoso que estava assaltando um bar, próximo ao local em que Priscila estava. 

"Acredito que a pessoa que disparou aquele tiro deve ter algum preparo, ou posse de arma, pelo menos, porque não seria qualquer pessoa que iria tomar as dores por um assalto no bar e tentar parar um bandido", disse ele.

A bebê do casal permanece internada na  Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-n) do hospital Jayme dos Santos Neves. Após o nascimento prematuro, ela recebeu o nome 'Laura'. O pai da criança diz que eles já tinham escolhido este nome, mas depois de tudo que aconteceu, ele faz ainda mais sentido. "Laura significa vitoriosa. E realmente essa é uma vitória da vida", disse.

O crime

Ainda com informações da PC, a mulher estava na praia quando foi atingida por um único tiro na barriga. Uma ambulância do Samu foi acionada e a vítima foi encaminhada para o hospital Jayme dos Santos Neves, na Serra.

A Polícia Civil informa que nenhum suspeito do crime foi detido. Mas afirma que o caso segue sob investigação da Polícia Civil. Outras informações não serão passadas, no momento, para não atrapalhar as investigações.