Projeto de resgate histórico de escola termina com festa em Guarapari

Nessa sexta-feira (27), alunos do ensino médio realizaram uma festa no Siribeira para finalizar o projeto que pesquisou o início da escola.

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um projeto de recuperação das memórias da EEEFM Zenóbia Leão resultou em comemoração. Na noite dessa sexta-feira (27), alunos do ensino médio matriculados na escola realizaram uma festa no Siribeira, reunindo estudantes, pais e professores. O evento foi a finalização de um longo trabalho de resgate da história da instituição que, neste ano, completa 80 anos em Guarapari e, de acordo com relatos de ex-alunos, foi a primeira escola pública da cidade.

A noite foi de homenagens. Enquanto antigos e atuais professores eram lembrados, os alunos se apresentavam em coral, faziam disputas de danças, além de escolherem o rei e rainha da noite. A festa também contou com a exibição de um vídeo feito pelos próprios alunos.

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

De acordo Gabrielle Werenicz, professora de história, a realização do projeto foi ideia de um ex-aluno. “O Elias Sales me procurou e informou que a escola estava completando 80 anos. A partir de então começamos a pesquisar mais sobre a história do Zenóbia”, afirma. Segundo ela, a ideia inicial era realizar somente um vídeo, mas o projeto tomou proporções maiores. “A gente ia fazer apenas um documentário resgatando as memórias da escola, mas a ação foi crescendo e conseguimos fazer essa comemoração no Siribeira”, conta.

Desde o início do ano, professora e alunos decidiram estudar o passado da instituição. “Eles fizeram pesquisa, tiveram que entrevistar ex-alunos, ex-professores e diretores e tiveram palestras com algumas dessas pessoas”, informou. Por meio da busca pela história da escola, o projeto conseguiu uma série de informações sobre os primórdios do Zenóbia Leão e, com base em relatos, foi constatado que ela foi a primeira escola de Guarapari.

Foto: arquivo público ES
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Primeira sede da escola.

Todo o trabalho resultou em um artigo escrito pela professora Gabrielle. O texto conta com fotografias e informações sobre aos primeiros anos da escola. Segundo o documento, antes de ser denominada Zenóbia Leão, a instituição se chamava Grupo Escolar do Município de Guarapari, mas em 1939, o Interventor Federal do Espírito Santo, João Punaro Bley, decidiu mudar o nome da escola, em homenagem a uma falecida educadora do estado.

O documento mostra imagens da primeira sede da escola, que era localizada na Rua Getúlio Vargas, onde hoje é a Câmara de Guarapari. De acordo com os relatos coletados, antes de se instalar no local, as aulas eram ministradas nas casas dos professores. Em seguida, a instituição passou a funcionar na Avenida Joaquim da Silva Lima, no centro da cidade. Segundo as pesquisas, a inauguração da nova sede aconteceu no dia 24 de maio de 1952, no mesmo dia da inauguração da ponte que liga o centro de Guarapari a Muquiçaba.

Para a diretora da escola, Luciana Zuqui, a iniciativa tem extrema importância para formar um acervo histórico da instituição. “Nós percebemos que muitas partes da história da escola estava perdidas, tínhamos pouca coisa arquivada. Então os alunos e professores fizeram um resgate por meio de entrevistas e pesquisas em arquivos públicos e uma história foi escrita, porque nós passamos pela escola mas ela fica na vida das pessoas’, declara.

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Lara Teodoro, de 17 anos, está no terceiro ano do ensino médio e estuda no Zenóbia Leão há dois anos. Sobre a escola, ela só tem elogios. “São ótimos professores e uma gestão muito boa também. Quem está lá dentro sabe como é”, enfatiza.

A professora Gabrielle acredita que o projeto foi importante para recuperar a autoestima dos alunos em relação ao local que estudam. “No passado o Zenóbia era uma referência de escola em Guarapari, mas infelizmente aos poucos isso foi se perdendo. Agora os estudantes podem olhar para a instituição de forma diferente”, concluiu.