Folha Vitória Qualidade do saneamento básico na Grande Vitória está entre as piores do Brasil, diz pesquisa

Qualidade do saneamento básico na Grande Vitória está entre as piores do Brasil, diz pesquisa

Considerando os 100 maiores municípios brasileiros, Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica aparecem entre os 50 que estão em pior situação, segundo levantamento do Instituto Trata Brasil

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A qualidade do saneamento básico nas quatro cidades da Grande Vitória está entre as piores do Brasil, segundo um levantamento divulgado nesta terça-feira (22), Dia Mundial da Água. Considerando os 100 maiores municípios brasileiros, Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica aparecem entre os 50 que estão em pior situação.

Serra é a cidade capixaba com a melhor colocação no ranking elaborado pelo Instituto Trata Brasil, ocupando justamente a 50ª colocação. Vitória vem logo depois, na 53ª posição e Vila Velha ficou em 71º. Já Cariacica, na  86ª colocação, aparece entre os 20 piores municípios em saneamento básico no Brasil.

"As quatro cidades ocupam a segunda parte do ranking, ou seja, da posição 50 em diante, o que não é bom. Isso demonstra que existe uma necessidade também de investimentos para poder melhorar a situação desses municípios", frisou a presidente executiva do Instituto Trata Brasil, Luana Siewert Pretto.

Segundo a 14ª edição do Ranking Saneamento, em Cariacica, cidade de 383.917 habitantes, 84,67% têm acesso a água tratada. Além disso, bem menos da metade dos moradores contam com tratamento de esgoto: 34,69%. O investimento anual médio por habitante, em saneamento, é de pouco mais de R$ 50.

"Cariacica ficou um pouco para trás. Realmente a situação foi desfavorável para esse município e, por isso, ele aparece nesse ranking do Trata Brasil. Porém, a situação atual me parece interessante, porque parece que está havendo um esforço para recuperar esse déficit de investimento, que foi tradicional", destacou o sanitarista Ricardo Franci.

Acesso a água tratada piorou no ES em 10 anos

Segundo o levantamento, em todo o Espírito Santo, 81,24% da população conta com água tratada e 56,9% com coleta e tratamento de esgoto. 

Entre 2010 e 2020, a população do estado aumentou 12%. Entretanto, o percentual de capixabas com acesso a água tratada não acompanhou esse crescimento, caindo de 83,6% para 81,2%.

Na primeira semana de março, moradores de municípios da Grande Vitória sofreram por conta da falta d'água. O município mais prejudicado foi Vitória. A população da região da Grande São Pedro ficou cerca de uma semana sem água.

"O saneamento básico, como o nome já fala, é básico e está relacionado, de maneira direta, com o meio ambiente no qual a gente vive e com a saúde da população. Por isso a importância desse olhar, com bastante criticidade, para o saneamento básico", ressaltou a presidente do instituto.

Em relação à rede de esgoto, a cobertura aumentou, passando de 39,4% para 56,9%. Um aumento de 17,5% em uma década. Ou seja, não cresceu nem 2% por ano. 

No País, 84% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada, e 55% da população tem rede de esgoto.

A meta do novo Marco Legal do Saneamento Básico, sancionado em 2020, é alcançar a universalização do serviço até 2033. Para que isso vire realidade, especialistas apontam para a importância de mais investimentos no setor, principalmente em tecnologias que apostem em soluções sustentáveis.

"Saneamento requer investimento, seja público ou privado. Não importa de onde venha, o investimento tem que ocorrer. Mas tem que ser uma política de Estado, para que toda a população capixaba, urbana e rural, possam ter uma cobertura de saneamento adequada", destacou Ricardo Franci.

O que dizem a Cesan e a Prefeitura de Cariacica

A Cesan, concessionária responsável pelo abastecimento de água em 53 municípios do Espírito Santo, afirmou que pretende alcançar a universalização do tratamento e coleta do esgoto pelo menos cinco anos antes de 2033, data prevista pelo Marco Legal do Saneamento.

De acordo com a companhia, a cobertura do tratamento de esgoto de Cariacica é de 52% e não 34%, como afirmou o Trata Brasil. Segundo o diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Cesan, Pablo Andreão, na cidade estão previstos diversos investimentos por parte da companhia.

"Os dados da Cesan são mais atualizados. No ano passado a gente estava com 46%. E, com alguns projetos estruturantes, que já estão em andamento, nós já ampliamos de 46%, do ano passado, para 52%, este ano, com coleta e tratamento de esgoto. Nós estamos falando de R$ 140 milhões de investimentos. Esses investimentos já estão contratados e em andamento", afirmou.

Já a Prefeitura de Cariacica se manifestou por meio de nota. Assim como a Cesan, falou que estão sendo feitos investimentos para ampliar o saneamento básico no município. 

Segundo a prefeitura, estão previstos 556 quilômetros de novas redes coletoras, além de 42 mil novas ligações de esgoto, 73 mil novas estações elevatórias de esgoto e ampliação de três estações de tratamento.

Com informações da repórter Luana Damasceno, da TV Vitória/Record TV 

Últimas