Folha Vitória Quatro faculdades particulares do ES recebem nota máxima em avaliação do MEC sobre cursos

Quatro faculdades particulares do ES recebem nota máxima em avaliação do MEC sobre cursos

Por outro lado, nenhuma instituição pública do estado atingiu nota 5 no Conceito Preliminar de Curso

Folha Vitória
Foto: Arquivo/Agência Brasil
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As instituições de ensino superior da rede privada no Espírito Santo foram mais bem avaliadas do que as públicas, de acordo com o Ministério da Educação (MEC). Quatro faculdades particulares do estado receberam nota 5, a pontuação máxima no Conceito Preliminar de Curso (CPC), avaliação realizada pelo MEC. Nenhuma instituição pública do estado atingiu a nota máxima.

Nessa avaliação, uma nota de 1 a 5 é atribuída ao curso. Quanto maior, melhor. A análise foi realizada para o ensino presencial e à distância, ao longo de 2019. Em 2020, com a pandemia, tudo está diferente e a avaliação pode mudar.

O presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Moacir Lellis, comemorou o resultado obtido pelas faculdades particulares no CPC. "É um trabalho árduo das nossas instituições, muitos investimentos e muita capacitação com os nossos professores", ressaltou.

"Mostra que, nas nossas instituições, nós temos uma educação de qualidade, e isso não é só no ensino superior. No ensino médio, nós estamos em segundo lugar no Brasil, só perdemos para Minas e Paraná. No ensino fundamental 1 e 2, nós estamos entre os primeiros do país", completou Lellis.

Para a estudante de farmácia Larissa Diniz, ter bons professores e estrutura é o que ajuda a chegar a esse resultado. "Isso demonstra bem todo o suporte e infraestrutura que ela [faculdade] fornece para os alunos e, principalmente, os professores. Se eu tivesse que avaliar com uma palavra, seria competência", afirmou a universitária.

Com relação às instituições públicas no Espírito Santo, a maior nota obtida foi 4. De acordo com o indicador, 62% dos cursos nessas instituições tiveram essa nota. No Brasil, esse número é um pouco maior: 68%.

Na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), os cursos se dividiram entre os patamares 4 e 3. A secretária de avaliação institucional da Ufes, Leila Massaroni, alega que a comparação da universidade com instituições menores não é adequada.

"Nós não podemos considerar só quantitativamente. Nós temos que entender o que é o CPC, que é o Conceito Preliminar do Curso, para que a gente possa avaliar qualitativamente as notas que são geradas na nossa instituição. E para nós, dentro da universidade, que tem 101 cursos, 25 mil pessoas e quase 100 cursos de mestrado e doutorado, ter uma nota 4 nos coloca muito bem no ranking também", destacou.

Ainda segundo a Ufes, o fato de os alunos terem de tirar uma nota alta no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para conseguirem ingressar na universidade acaba atrapalhando a Ufes a chegar à nota máxima no CPC. Isso porque um dos métodos de avaliação é o desempenho do aluno durante o curso. 

Ou seja, se ele já entra na instituição com uma nota alta e sai com a nota alta, essa falta de variação interfere no resultado. "Como ela é uma universidade pública, a concorrência é muito grande, o que faz com que as médias do Enem sejam muito altas", frisou Leila Massaroni.

Com informações da repórter Nathália Munhão, da TV Vitória/Record TV

Últimas