Folha Vitória Síndrome de Hashimoto: veja o que é a doença que afeta a atriz Cleo Pires

Síndrome de Hashimoto: veja o que é a doença que afeta a atriz Cleo Pires

Sintomas são cansaço, fadiga, sonolência, intestino preso, mais intolerância ao frio, inchaço e dificuldade para perder peso

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um assunto tomou as redes sociais nos últimos dias: Síndrome de Hashimoto. Com quase 18 milhões de seguidores só no Instagram, a atriz Cleo Pires voltou a falar sobre as mudanças recente de seu corpo, e explicou que tem uma doença autoimune.

Antes de contar sobre seu problema, ela fez um desabafo: "As mudanças na minha aparência não têm que ser pauta ou palco. Por que as pessoas têm de ter corpos que as outras pessoas esperam? Entendo que todos têm uma opinião, mas se for machucar, for infundada, e não foi pedida...", fez uma expressão de negação na publicação da rede social.

A atriz resolveu contar o que passou para alertar seus seguidores também. "É difícil ter que vir aqui explicar uma questão tão pessoal, até porque acho que ninguém deve explicações sobre a própria aparência, saúde ou processos de vida, mas como sei que alcanço muitas pessoas com esses vídeos, falar sobre algumas questões faz parte do meu papel também e é importante", escreveu Cleo.

Mas o que é a Síndrome de Hashimoto? 

A médica Rosalia Padovani, diretora da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo, explica que é uma doença autoimune e que pode ou não causar o hipotiroidismo, como no caso de Cleo Pires.

"Nossas células de defesa começam a produzir anticorpos contra a tireoide e pode evoluir ou para o hipotiroidismo, que é quando a glândula para ou diminui a produção de hormônios no corpo", ensina a médica.

Vale lembrar que a tireoide é uma glândula e comanda o organismo como um todo. Os hormônios produzidos por ela agem em todos os órgãos e são responsáveis por manter o organismo funcionando corretamente.

Quais são os sintomas da doença?

Quando a síndrome evolui para o hipotiroidismo, os sintomas são cansaço, fadiga, sonolência, intestino preso, aumento do fluxo menstrual, mais intolerância ao frio, inchaço e dificuldade para perda de peso.

Padovani afirma que não é retratado comumente o ganho de peso. "Existe uma dificuldade em perder peso, mas quando os pacientes apresentam aumento do peso, normalmente está relacionado com o inchaço", conta a endocrinologista.

Como é feito o diagnóstico?

Para descobrir se a pessoa tem a Síndrome de Hashimoto é necessário fazer exames de sangue e de ultrassonografia da tireoide. Os exames vão verificar se a glândula tem alguma alteração e se o corpo tem os anticorpos tireoidianos.

"Se o paciente apresentar as alterações, são verificadas as taxas de hormônio T4 e TSH para ver se a pessoa desenvolveu o hipotiroidismo. No caso o tratamento é feito com doses dos hormônios tiroidianos e a dosagem é passada pelo médico e é individual", observa a diretora da SBEM-SP.

O uso dos hormônios é para o resto da vida. Por isso, Cleo explicou que ainda está em fase de adaptação do tratamento.

"Conviver com Hashimoto é uma batalha diária e uma adaptação. Não é "meu Deus, coitadinha de mim", tem coisas muito piores e eu sei disso. Mas comecei a olhar minha saúde de um jeito diferente", relata a atriz.

Cuidados além do uso de hormônios

No vídeo, Cleo Pires ainda expos aos fãs o problema que tem de compulsão, uma das coisas que ela também teve de mudar para melhorar.

"Tenho compulsão e nunca tinha tratado. Quando tenho não é para comer saladas, era por coisas que tinham glúten, lactose, açúcar e esses alimentos. Depois comecei um tratamento bem severo e difícil, que tive de cortar todos esses alimentos inflamatórios. Além de tratar a compulsão", disse ela.

A endocrinologista explica que muitos médicos têm uma linha também ligada a alimentação para ajudar no tratamento, mas não existem comprovações científicas dos efeitos.

"Tem alguns especialistas que indicam o uso de probióticos, selênio para conter a evolução da doença. Além de pedir para os pacientes evitarem alguns alimentos para diminuir os processos inflamatórios do organismo. Mas isso ainda é questionado, porque não tem estudos que comprovam a eficácia das medidas", ressalta Padovani.

E explica: "Como é uma doença autoimune, então, talvez usando probióticos e usando produtos que você consiga ter um controle maior da imunidade, uma diminuição da resposta imunológica, você consegue controlar uma doença que tem a etimologia de autoimune."

Como o tratamento é para a vida toda, Cleo Pires já avisou que reconhece que o autocuidado será cada vez mais importante em sua vida.

"Aos poucos consegui voltar ao equilíbrio, diminuíram as dores e comecei a entender o que é ter uma doença autoimune. Eu terei altos e baixos. O autocuidado é como escovar os dentes. Ninguém vai fazer por você", garante Cleo.

E a atriz finaliza. "Tente arranjar alguma coisa que vai te dar apoio. Estou bem e me adaptando para que essa condição não me atrapalhe."

*Com informações do Portal R7

Últimas