Folha Vitória Sintomas de covid variam de acordo com sexo e faixa etária, diz pesquisa

Sintomas de covid variam de acordo com sexo e faixa etária, diz pesquisa

Perda de olfato não é comum em idosos, sendo mais frequente a diarreia; descoberta ajuda a orientar testes e diagnósticos precoces

Folha Vitória
Foto: Pixabay
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Além de diversos, os sintomas da covid-19 se manifestam de forma diferente em grupos de 15 a 59 anos e de 60 a 80 anos. A descoberta foi feita em um estudo da King's College London, no Reino Unido, e publicado no periódico médico Lancet. A pesquisa ainda apontou que os sintomas nesse estágio da doença também são distintos entre homens e mulheres.

O estudo foi feito a partir da análise de dados do aplicativo ZOE COVID COVID Symptom Study entre abril e outubro do ano passado por meio de sintomas relatados nos três primeiros dias da doença. Foram avaliados 18 sintomas que apresentaram relevância diferente para a detecção precoce da doença em cada grupo etário.

Os principais sintomas, de forma geral, foram:

- perda do olfato; 

- dor no peito;

- tosse persistente;

- dor abdominal;

- dor nos olhos;

- dores musculares incomuns. 

A pesquisa revelou que a perda de olfato não foi frequente em pessoas acima de 60 anos e irrelevante em idosos com mais de 80 anos. Os sintomas mais comuns nessas faixas etárias, no primeiro estágio da doença, foi diarreia.

Homens, de todas as idades, demonstraram ser mais propensos a ter falta de ar, fadiga e calafrios, enquanto as mulheres relataram mais perda do olfato, dor no peito e tosse persistente.

"É importante saber que os primeiros sintomas são variados e podem ser diferentes em cada membro da família. As orientações de teste podem ser atualizadas para permitir que os casos sejam detectados mais precocemente, principalmente diante de novas variantes que são altamente transmissíveis. Isso inclui testes rápidos amplamente disponíveis [no Reino Unido] para qualquer pessoa que apresente um sintoma que não seja essencial", afirmou Claire Steves, autora principal do estudo, por meio de nota.

*Com informações do Portal R7

Últimas