Folha Vitória Suspeita de roubo na Mata da Praia cometeu o mesmo crime no RJ neste ano

Suspeita de roubo na Mata da Praia cometeu o mesmo crime no RJ neste ano

Ela, junto a outros homens, teria arrombado um apartamento e levado pertences de um casal de idosos: entre eles, dinheiro em espécie, joias, notebook e relógio

Foto: Leitor/whatsapp

A jovem paraguaia de 18 anos presa após envolvimento no roubo de joias e 240 milhões de um apartamento na Mata da Praia, em Vitória, cometeu, ainda em maio deste ano, crime semelhante no bairro Copacabana, na Capital carioca. 

Ela, junto a três homens e outros suspeitos ainda não identificados, teria arrombado um apartamento e levado pertences de um casal de idosos. Confira quais bens foram roubados:

• U$ 2 mil (dólares) em espécie;
• € 1.600 (euros) em espécie;
• 1 notebook;
• 2 alianças de brilhantes;
• 1 colar de pérola;
• 2 canetas “parker” de ouro;
• 1 conjunto de brinco e anel de ouro e topázio;
• 1 brinco grande de ouro;
• 1 conjunto de brinco e anel de esmeralda;
• 1 anel de pérola, ouro e brilhante;
• 1 conjunto de brinco e anel de ouro com brilhante;
• 1 par de brincos de ouro;
• 1 conjunto de brinco e broche de ouro com brilhante;
• 1 relógio Ômega de ouro (masculino);
• Anéis masculinos de ouro;
• 1 pulseira de ouro masculina;
• 1 aliança de ouro.

Os suspeitos teriam chegado ao local usando um veículo Volkswagen T-Cross, fruto de estelionato e de propriedade de uma empresa locadora de veículos. Tamara Romina Ramos Dimas, de 18 anos, e um comparsa entraram no prédio, e arrombaram a porta do apartamento das vítimas, levando os itens listados em uma bolsa levada ao local pela jovem. Os dois saíram do prédio e fugiram no mesmo automóvel onde dois outros homens os aguardavam.

Os quatro envolvidos teriam ficado hospedados em um hotel da região, no Rio de Janeiro. Uma quinta pessoa - presa em maio - teria sido responsável pelo aluguel do veículo T-Cross, em Minas Gerais, mediante utilização de documentos falsos.

LEIA TAMBÉM: >> Suspeito de matar homem há quase dois anos em Vitória é preso

Os investigados, segundo dados de documento processual do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, moram na cidade de São Paulo e já foram identificados como autores em outros crimes patrimoniais, executados de formas semelhantes.

Entenda roubo na Mata da Praia

A ação criminosa no apartamento na Avenida Dante Michelini, no bairro Mata da Praia, em Vitória, durou cerca de 40 minutos e resultou em um prejuízo de aproximadamente R$ 240 mil, além de cerca de R$ 50 mil em joias. Ao todo, os criminosos levaram 20 mil dólares, 20 mil euros e 20 mil reais em espécie.

Além da mulher presa, outros dois homens também teriam participado do crime. Maior do que o prejuízo financeiro, foi a forma violenta como o trio agiu.

Segundo consta do Auto de Prisão em Flagrante, policiais militares foram até o local, próximo a um tradicional hotel da orla da Capital, para verificar a ocorrência. No local, foram a vítima informou que um casal teria arrombado a porta do apartamento com uma chave de fenda e agredido a esposa e a sogra dele.

O morador, no momento em que ouviu as agressões, acordou e entrou em uma briga com os suspeitos, que acabaram deixando a residência. Um deles, em todo o momento, mantinha contato telefônico com uma terceira pessoa, que dizia como deveria agir.

LEIA TAMBÉM: >> Homem é preso após agredir a esposa com bebê de 6 meses no colo em Vila Velha

O proprietário gritava "ladrão" e, com isso, o porteiro do prédio ouviu e saiu da guarita para ajudar. Apesar da tentativa de capturar os dois suspeitos, o homem, que vestia uma camisa azul, fugiu do prédio pulando o muro.

O proprietário gritava "ladrão" e, com isso, o porteiro do prédio ouviu e saiu da guarita para ajudar. Apesar da tentativa de capturar os dois suspeitos, o homem, que vestia uma camisa azul, fugiu do prédio pulando o muro.

Durante a audiência de custódia, o juiz Salim Pimentel Elias converteu a prisão em flagrante em preventiva. Representantes do Ministério Público e da Defensoria Pública também acompanharam a audiência.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa da suspeita. O espaço segue aberto caso queira se manifestar.

Últimas